Mercado abrirá em 3 h 53 min
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,13
    -0,48 (-0,66%)
     
  • OURO

    1.765,60
    +8,90 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    47.919,43
    -193,92 (-0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.225,09
    -8,20 (-0,66%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.050,74
    +23,26 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.516,50
    -1,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2050
    +0,0202 (+0,33%)
     

MPF abre inquérito sobre suspeita de propina em negociação da Saúde para compra de vacina da Covid

·2 minuto de leitura
Mulher segura recipiente com adesivo Vacina Covid-19, em imagem de ilustração

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério Público Federal do Distrito Federal abriu um inquérito civil para apurar suspeita de pedido de propina por parte do então diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias para a aquisição de vacinas contra a Covid-19, informou o órgão nesta sexta-feira.

Em portaria publicada nesta sexta no Diário Oficial, a procuradora da República Melina Castro Montoya Flores cita que há diligências a serem tomadas para se formar uma convicção do caso e determinou a conversão da apuração preliminar em um inquérito civil.

"A conversão da presente notícia de fato em inquérito civil, tendo como objeto apurar possíveis atos de improbidade administrativa praticados pelo então diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, e outros agentes públicos e privados, em razão de suposta solicitação de vantagem econômica indevida de 1 dólar por dose de vacina, em negociação para aquisição de vacinas contra a Covid-19, travada com Luiz Paulo Dominguetti Pereira, suposto representante da empresa Davati Medical Supply", disse o documento.

Em nota, a defesa de Roberto Dias afirmou que a decisão permitirá esclarecer o caso.

"A abertura de inquérito pela Procuradoria da República no DF para investigar o suposto pedido de propina, foi recebido como uma oportunidade ímpar para esclarecer os fatos, oportunizando a manifestação de todos envolvidos para desmascarar a mentira criada por Luís Dominguetti", disse.

O caso envolvendo o suposto pedido de propina por Roberto Dias foi revelado em reportagem do jornal Folha de S.Paulo, o que levou o dirigente a deixar o Ministério da Saúde.

Dias posteriormente depôs na CPI da Covid do Senado, negando as acusações. Ele chegou a ser alvo de um pedido de prisão determinado pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), por considerar que ele cometeu crime de falso testemunho. Posteriormente teve a prisão relaxada após pagar fiança.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos