Mercado abrirá em 35 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,03
    -1,36 (-3,64%)
     
  • OURO

    1.878,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    13.131,57
    -31,82 (-0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,52
    -13,17 (-4,83%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.595,21
    +12,41 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.215,75
    +83,00 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7177
    -0,0167 (-0,25%)
     

MP do Rio deve denunciar Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz por 'rachadinhas'

André Guilherme Vieira
·3 minutos de leitura

Acusação de 280 páginas, que ainda precisa ser formalizada, teve por base dados de quebras de sigilos bancário e fiscal que apontam o uso de cerca de R$ 2,7 milhões em espécie pelo atual senador no esquema O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e seu ex-assessor, Fabrício Queiroz, deverão ser denunciados nesta terça-feira (29) por pertinência à organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ). A denúncia envolve a investigação que apurou, por dois anos, um suposto esquema de "rachadinhas" no gabinete de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado da Assembleia Legislativa fluminense e é assinada pelo subprocurador-geral de Justiça Ricardo Martins. A acusação deveria ter sido enviada nesta segunda (28), eletronicamente, ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). No entanto, houve um problema na transmissão, porque a denúncia tem mais de 280 páginas e traz em anexo diversas provas da investigação. Como o envio digital falhou, provavelmente pelo volume de dados a serem transmitidos, a peça deverá ser entregue fisicamente ao relator do caso na Corte, desembargador Milton Fernandes, conforme apurou o Valor. Na noite desta segunda, o MPRJ divulgou nota em que negou que tenha apresentado a denúncia. “A instituição lamenta e repudia a divulgação de notícias relacionadas a investigações sigilosas, sem qualquer embasamento ou informação oficial por parte do MPRJ, o que causa prejuízo à tramitação do procedimento e desinformação junto ao público”. A nota foi divulgada por ordem da Procuradoria-Geral de Justiça como uma estratégia de prevenção: há receio no MPRJ de que a conclusão das investigações e o consequente encaminhamento da denúncia à Justiça provoquem uma reação política forte do clã Bolsonaro, disse à reportagem uma fonte familiarizada com a investigação. Flávio será apontado como líder da organização criminosa. Queiroz será acusado de operar financeiramente o esquema de corrupção que funcionaria no gabinete do então deputado. A acusação tem em sua base dados de quebras de sigilos bancário e fiscal que revelaram que Flávio usou ao menos R$ 2,7 milhões em dinheiro vivo do esquema de rachadinhas. Esse montante dá contra de três métodos de lavagem de dinheiro que teriam sido empregados no esquema, segundo o MPRJ. Vinte e três ex-assessores do gabinete de Flávio são mencionados nos relatórios de investigação. O MPRJ os dividiu em três grupos, conforme a função desempenhada por cada um. O primeiro, com 13 pessoas, é o núcleo ligado a Queiroz e do qual fazem parte seus familiares, amigos e conhecidos indicados ao gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro. Esses 13 investigados depositaram R$ 2,06 milhões na conta do ex-assessor de Flávio durante período de 11 anos. O grupo também é apontado como responsável por saques de R$ 2,9 milhões em dinheiro vivo ao longo desse mesmo período. O segundo grupo, de acordo com o MPRJ, contava com Danielle Nóbrega e Raimunda Magalhães, respectivamente ex-mulher e mãe de Adriano Nóbrega, ex-policial e líder de milícia em Rio das Pedras. Ele foi morto em fevereiro, durante confronto com a polícia da Bahia. As duas mulheres repassaram, juntas, mais de R$ 200 mil a Queiroz. Cerca de R$ 200 mil adicionais foram transferidos a Queiroz por meio de pizzarias mantidas por Raimunda, segundo o MPRJ. O terceiro grupo apontado na investigação conta com 10 ex-assessores de Flávio que moram em Resende (RJ). Nove deles têm algum parentesco com Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro e mãe do filho mais novo do presidente. Desses 10 ex-funcionários, nove sacaram o equivalente a R$ 4 milhões em salários durante os 11 anos contemplados pelos investigadores. Queiroz foi preso em junho na casa do advogado Frederick Wassef, em Atibaia (SP). O criminalista representava Flávio no caso até então. Queiroz foi encaminhado para Bangu, no Rio, mas obteve prisão domiciliar concedida pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. A reportagem não conseguiu contatar as defesas de Flávio e Queiroz até a publicação deste texto. Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz foram denunciados pelo Ministério Público por suspeita de participar do esquema de "rachadinhas" Reprodução