Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.849,85
    -2.589,52 (-2,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.533,02
    -774,69 (-1,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,81
    -1,16 (-1,61%)
     
  • OURO

    1.765,90
    +14,50 (+0,83%)
     
  • BTC-USD

    43.768,13
    -3.705,67 (-7,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.089,67
    -44,71 (-3,94%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.977,75
    -348,25 (-2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2539
    +0,0545 (+0,88%)
     

MP que muda Marco Civil da Internet pode gerar insegurança jurídica, diz CGI

·3 minuto de leitura

O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) divulgou uma extensa nota no qual mostra preocupação com os impactos da MP 1068/2021, que estabelece regras para a remoção de conteúdos das redes sociais e exclusão de perfis. O CGI apontou para "potenciais consequências de insegurança jurídica", o que pode impactar no setor de inovação e gerar prejuízo para "a atuação dos atores na Internet".

Na prática, a MP obriga os chamados provedores de redes sociais a justificar remoções e oferecer um canal eletrônico de comunicação dedicado ao exercício da ampla defesa e do contraditório. Em caso de retirada do conteúdo, a plataforma precisará restaurar textos, vídeos, fotos e similares quando houver requerimento, inclusive perfis que tenham sido excluídos por descumprimento das diretrizes do serviço.

O CGI criticou a MP e colocou-se à disposição das autoridades para contribuir (Imagem: dole777/Unsplash)
O CGI criticou a MP e colocou-se à disposição das autoridades para contribuir (Imagem: dole777/Unsplash)

O órgão máximo da internet brasileira defendeu os preceitos do Marco Civil da Internet, em especial do art. 19, que trata da preservação da liberdade de expressão, vedação à censura e garantia do respeito aos direitos humanos. Segundo o CGI, o debate das regras sobre a atuação dos grandes provedores são fundamentais, mas é preciso ter como objetivo "o equilíbrio entre a liberdade de expressão dos usuários e a correta aplicação dos termos de uso de cada provedor".

Apesar disso, o comitê alerta para os riscos de se alterar estruturas já presentes na legislação atual, o que abriria espaço para uma "regulação excessiva por um lado" e por normas que podem ficar defasadas em pouco tempo. Esse excesso apontado poderia trazer como consequência insegurança jurídica para o país, já que teriam impacto na inovação e atuação das mídias sociais, com efeitos também para os usuários.

Aumento de ações no Judiciário

Outro ponto levantado é em relação ao aumento de ações no Poder Judiciário brasileiro, que conta com mais de 80 milhões de ações em tramitação, segundo dados do próprio pelo CGI. Essas "limitações excessivas à atuação dos provedores" poderiam causar uma avalanche de processos com pedidos de reintegração de conteúdo removido, o que seria ruim para o Brasil na avaliação do órgão.

Por fim, o comitê se colocou à disposição das autoridades para colaborar nos debates, "no melhor esforço de proteção dos cidadãos usuários e de definição dos melhores caminhos para o bom desenvolvimento da Internet no Brasil".

Em especial produzido pelo Canaltech, o advogado especialista Leandro Nava considerou a medida excessiva e descabida, por não preencher os requisitos de urgência de uma Medida Provisória. Ele também criticou o fato da matéria ser legislada sem discussão com os envolvidos e disse acreditar ter impactos na atuação das redes sociais.

Partidos políticos também ingressaram com ações no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar barrar a MP 1068/2021, considerada inconstitucional por eles. Por enquanto, não há prazo para a instância máxima do Judiciário brasileiro se posicionar sobre a temática. O Congresso Nacional terá 120 dias para decidir se aprova ou não a legislação — se não houver manifestação no prazo, a MP perderá a validade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos