Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,01
    +0,57 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.769,40
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    63.788,45
    +2.348,05 (+3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,22
    +17,87 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.410,75
    +120,25 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4957
    +0,1042 (+1,63%)
     

Mozilla classifica Facebook Messenger e WeChat como pouco confiáveis

·3 minuto de leitura

A Fundação Mozilla divulgou uma nova versão do seu ranking "Privacy not included", guia voltado para analisar os recursos de privacidade dos aplicativos e dispositivos mais populares do mercado. O objetivo é alertar as pessoas sobre programas que acessam dados indevidos ou não oferecem a segurança prometida aos usuários.

No último ranking divulgado, 21 aplicativos de videochamadas foram analisados, com um destaque negativo surpreendente para três soluções populares no mundo: Facebook Messenger, WeChat e Houseparty. O trio foi marcado com o aviso "Privacy not included" para ressaltar problemas no quesito segurança, coleta da dados, repasse de dados indevido, criptografia falha e uso de inteligência artificial precário.

Os três aplicativos criticados severamente pela Mozilla (Imagem: Reprodução/Mozilla)
Os três aplicativos criticados severamente pela Mozilla (Imagem: Reprodução/Mozilla)

O Slack também foi criticado pela Mozilla por não permitir o bloqueio de certos contatos — pesquisadores da dona do Firefox até fizeram uma petição enviada à companhia para adicionar esse recurso —, mas nada próximo dos três citados anteriormente.

Videochamadas em alta

Já o Signal (gratuito) e o Threema (US$ 2,99) foram bastante elogiados pelos especialistas. Na análise do mensageiro gratuito, a Mozilla até brinca com o fato de o próprio CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, usar o Signal em vez das soluções mantidas pela sua própria empresa, como o WhatsApp e o Messenger.

A análise aponta para o fato de que o Signal nunca teve uma violação de dados e apenas coleta números de telefone, sem repassá-lo a terceiros para fins publicitários ou como forma de monetização. Essa questão publicitária é um dos maiores enfoques de todas as empresas de segurança, que acusam o Facebook de utilizar dados pessoais dos usuários para direcionar propaganda e capitalizar em cima disso.

Com a pandemia da Covid-19, os aplicativos de videochamadas ganharam impulso e tornaram-se parte da vida das pessoas. Mesmo com a retomada do trabalho e das aulas presenciais, esses programas parecem ter chegado para ficar, razão pela qual a Mozilla se mostra preocupada com a segurança das pessoas.

Todos os outros apps tiveram um desempenho minimamente satisfatório na análise (Imagem: Reprodução/Mozilla)
Todos os outros apps tiveram um desempenho minimamente satisfatório na análise (Imagem: Reprodução/Mozilla)

Além dos apps já mencionados acima, a fundação também analisou o Facetime, o Viber, o Discord, o Google Meet, o Microsoft Teams, o Telegram, o Zoom, o WhatsApp e alguns outros menos conhecidos do grande público. Na versão de 2020, a lista contava com 15 aplicativos, ou seja, houve um acréscimo de seis novos, justamente para abarcar o crescimento da funcionalidade de chamadas à distância.

Política de privacidade "para inglês ver"

Uma falha recorrente observada pelo ranking são as políticas de privacidade dos apps, consideradas ilegíveis e com ausência de uma linguagem mais clara sobre questões pertinentes, como período de retenção de dados ou como solicitar a exclusão de informações pessoais dos servidores.

Apenas oito dos 21 analisados tinham o que a Mozilla considerou informações de privacidade "amigáveis" à disposição dos usuários. Eles também criticaram empresas como a Microsoft por usarem políticas de privacidade que dificultam saber exatamente quais dados certas plataformas coletam.

Embora o cenário pareça negativo, há indícios de que mais empresas aprimoraram seus recursos de privacidade. É o caso do Zoom, tão criticado no passado por falhas de segurança, que adicionou criptografia de ponta a ponta, além do Discord e do Doxy.me, cujos requisitos de senha são mais rígidos atualmente.

Ainda há esperança de melhorias no cenário e trabalhos como o da Mozilla ajudam a jogar luzes em um tema que a maioria dos usuários não tem ideia. Além dos apps, há também caixas de som, fones de ouvido, videogames e outros dispositivos analisados pela pesquisa. Que venha a próxima edição do ranking!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos