Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.578,48
    -390,19 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Mozilla afirma que o FLoC do Google não protege a privacidade dos usuários

·2 minuto de leitura

Desde que foi anunciado como um substituto para cookies tradicionais, o sistema Federated Learning of Cohorts (FLoC) do Google tem sido alvo de vários críticas. Na última quinta-feira (10), a Mozilla voltou a atacar o sistema, alegando que a maneira como ele foi criado diminui a privacidade dos usuários e permite que eles sejam identificados de forma individual.

Eric Rescorla, CTO da empresa, afirmou que a maneira como o FLoC age ainda possibilita que anunciantes vejam os detalhes de cada pessoa, mesmo que seus comportamentos e histórico de visitas esteja agrupado dentro de um grande conjunto. “Se os rastreadores tiverem qualquer quantidade significativa de informações adicionais, eles podem restringir o conjunto de usuários muito rapidamente”, explicou.

Rescorla explica que o sistema do Google pode ser agregado a outros métodos de identificação para destacar usuários únicos dentro de cada grupo. O sistema operacional que é usado por cada pessoa, por exemplo, pode servir como uma forma de separar o comportamento individual de cada uma delas. Ele também afirma que o sistema é capaz de registrar a navegação por múltiplos sites, burlando até mesmo ferramentas como o Total Cookie Protection (TCP) do Firefox, criado para evitar que anunciantes criem correlações entre páginas visitadas pela mesma pessoa.

Solução ainda mais invasiva

O executivo também critica o fato de que o FLoC é abrangente o suficiente para registrar todo o histórico de comportamentos de um usuário. Enquanto os cookies tradicionais funcionam de forma mais limitada e individual, o sistema do Google usa uma identidade única para todas as páginas visitadas — o que permite que anunciantes configurem rotinas de checagem de comportamento muito eficientes.

“O resultado final aqui é que qualquer site será capaz de aprender muito sobre você com muito menos esforço do que seria necessário hoje”, explica Rescorla. O CTO da Firefox também afirma que, embora o Google tome certas medidas para proteger a privacidade de seus usuários, elas são somente marginais diante dos problemas básicos que a tecnologia possui e que devem ser estudados com mais cuidado pela comunidade.

“O FLoC tem como premissa uma ideia atraente: permitir a segmentação de anúncios sem expor os usuários a riscos. Mas o design atual tem várias propriedades de privacidade que poderiam criar riscos significativos se fosse amplamente implantado em sua forma atual”, resume Rescola. Atualmente, o Google está conduzindo testes do novo sistema no navegador Chrome em 10 países, em uma lista que inclui o Brasil e os Estados Unidos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos