Mercado abrirá em 4 h 24 min
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,37
    +0,25 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.861,60
    +5,20 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    40.041,28
    -128,52 (-0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    995,57
    -15,04 (-1,49%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.177,74
    +5,26 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,69 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.041,00
    +10,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1160
    -0,0019 (-0,03%)
     

Movimento negro faz protesto em SP contra mortes no Jacarezinho

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO — O movimento negro realizou na Avenida Paulista, no fim da tarde deste sábado, um protesto contra as mortes provocadas por uma operação policial na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, na quinta-feira. A ação da Polícia Civil matou 28 pessoas. Esse é o maior número de mortes decorrentes de intervenções policiais desde 2007, de acordo com levantamento do GLOBO/EXTRA.

Os manifestantes se concentraram no vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo) e na calçada e nas faixas da avenida que ficam em frente à instituição, com cartazes que pedem investigação e justiça pelo caso. A convocação do ato foi feita pela Coalizão Negra por Direitos, que reúne diversas entidades brasileiras da causa. Também participaram integrantes de partidos políticos de esquerda e de movimentos estudantis.

Na sexta-feira, a coalizão já havia divulgado um manifesto, em português e em inglês, repudiando a operação no Jacarezinho. “Seja pelo coronavírus, seja pela fome, seja pela bala, o projeto político e histórico de genocídio negro avança no Brasil de uma forma sem limites e sem possibilidade concreta de sobrevivência do povo negro”, escrevem.

A manifestação na capital paulista também cobrou o aumento da vacinação contra a Covid no país. “Não tem vacina, mas tem chacina”, estampavam faixas.