Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.057,89
    -89,31 (-0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Movimento defende inclusão racial nas áreas tributária e contábil

SHEYLA SANTOS
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Diante da falta de representatividade de pessoas negras em cargos de liderança nas áreas tributária e contábil, profissionais do setor criaram o movimento BTM (Black Tax Matters). O nome da iniciativa, que tem como objetivo inserir pessoas negras nessas áreas e apoiar o desenvolvimento de lideranças, é uma alusão ao movimento Black Lives Matter (Vidas negras importam, em tradução livre). O grupo conta com 10 profissionais das empresas Latam, Ambev, iFood, Grupo Heineken, Mercury Machine, Stripe, RVC Advocacia e Consultoria Tributária e Empresarial e Camil Alimentos "A representatividade não é uma questão só de pessoas pretas. É uma questão de todos, é monetária. Se não existem pessoas negras na carreira tributária, juízes, diretores de empresas, formadores de opinião e normas jurídicas, você não tem medidas que são feitas para as pessoas pretas", disse o analista tributário da Ambev, Henrique Rodrigues, nesta sexta-feira (26) em live promovida pelo site Jota. Para o analista tributário sênior do iFood, Luiz Henrique Dutra, o objetivo da iniciativa é mostrar que há profissionais negros qualificados para atuar no mercado, especialmente em cargos de chefia. "O nosso sonho é que a gente não precise ouvir mais que aquela vaga em posição de liderança não pode ser ocupada por uma pessoa negra porque é muito difícil [recrutar] ou porque não tem [profissional]", afirma. Segundo Beatriz Soares, analista de contencioso tributário no Grupo Heineken, o movimento existe porque há racismo nas instituições. "O BTM, em tese, não deveria existir. Ele existe porque o racismo estrutural existe e a gente tenta combater isso com uma ação afirmativa. O racismo estrutural não está só no mercado tributário. Ele está na sociedade de um modo geral, está em todas as instituições", disse. O grupo apoia a promoção de vagas exclusivas para negros e trabalha pela inclusão dessas pessoas dando suporte em recrutamentos. O coordenador de planejamento tributário da Camil Alimentos, Herman Fonseca, defende a adaptação de processos seletivos, com a retirada de exigências como a fluência em inglês para cargos em que o profissional não utiliza o idioma para desempenhar sua função. "Muitas empresas usam o inglês como filtro. Se ele [o profissional] não atua em uma área global, vale a pena olhar o perfil", afirma. Luciana Reis, sócia na RVC Advocacia e consultoria tributária, também defende que as áreas de recrutamento tenham um olhar voltado à diversidade e a exigências que, muitas vezes, são excludentes para pessoas negras. "Ter esse olhar no recrutamento e seleção é muito importante. Você usa o inglês no dia a dia?". O trabalho do Black Tax Matters consiste em quatro pilares: geração de conteúdo informativo para promover a educação, mentoria voluntária oferecida por profissionais com experiência nos mercados, parcerias para seleção de parceiros do movimento e recrutamento. Dutra, do iFood, conta que a desigualdade racial é percebida já nos bancos universitários, antes da chegada às empresas. "Eu era de uma sala com mais ou menos 62 pessoas e de negros havia eu e mais dois. Temos também as posições dentro dos órgãos públicos, predominantemente técnicas, que acabam ficando com pessoas brancas", afirma. "Tive colega na faculdade que quando ia despachar com juízes, e não era em ambiente tributário, precisava prender o cabelo black power". Beatriz, da Heineken, também defende a inclusão de pessoas negras em cargos de liderança para combater estereótipos raciais. "A gente sabe que um juiz, muito provavelmente, vai ser uma pessoa branca, e um segurança, muito provavelmente, uma pessoa negra. Só vi juiz branco, procurador branco", afirma.