Mercado fechará em 6 h 14 min
  • BOVESPA

    110.736,64
    -979,36 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,60
    +0,86 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.653,20
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.176,14
    +238,86 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,42
    +6,32 (+1,46%)
     
  • S&P500

    3.692,29
    -0,94 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    29.514,00
    -76,41 (-0,26%)
     
  • FTSE

    6.978,39
    -40,21 (-0,57%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.439,25
    +62,50 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1413
    +0,0437 (+0,86%)
     

Movimento contra projeto que muda lei da arbitragem ganha apoio da Fiesp

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  24-09-2019 - Projeto que altera a lei da arbitragem está em tramitação no Congresso. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 24-09-2019 - Projeto que altera a lei da arbitragem está em tramitação no Congresso. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Fiesp e o Ciesp assinaram na semana passada uma nota de apoio ao CBAr (Comitê Brasileiro de Arbitragem) contra um projeto de lei que altera a mediação em processos judiciais.

Outras 38 organizações, incluindo a OAB, Amcham, FGV e institutos do direito do país endossam a posição do comitê.

Em tramitação na Câmara dos Deputados, o texto limita a quantidade de processos em que um árbitro pode atuar, sendo no máximo dez casos ao mesmo tempo. A ideia do projeto é romper com uma possível concentração de mercado. O texto também cria um dispositivo que obriga a Câmara de Arbitragem a publicar a composição dos tribunais arbitrais, o valor e o mérito da disputa.

Assim que a mediação for encerrada, propõe o projeto de lei, a íntegra da sentença deverá ser divulgada, e o processo só segue em sigilo se a parte apresentar uma justificativa. A CBAr afirma que sem essa confidencialidade, informações sigilosas de empresas podem ficar expostas no mercado, porém a deputada Margarete Coelho (PP-PI), autora do projeto, diz que essa é uma forma de criar jurisprudência dentro da arbitragem e deixar o sistema transparente.

Um requerimento de urgência aguarda para ser votado nos próximos dias, o que atropelaria a discussão do tema na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara.