Mercado abrirá em 2 hs
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,45
    -0,40 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.841,80
    -7,10 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    31.526,23
    +204,42 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    635,14
    +7,48 (+1,19%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.462,05
    -105,32 (-1,60%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.961,75
    -143,75 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Mourão diz que pretende tomar a vacina contra covid: “Dentro da minha vez”

Ana Paula Ramos
·3 minuto de leitura
BRASILIA, BRAZIL - NOVEMBER 19: Brazilian Vice President Hamilton Mourão, looks after Commemorates Brazilian Flag Day amidst the coronavirus (COVID-19) pandemic at the Planalto Palace on November 19, 2020 in Brasilia. Brazil has over 5.945,000 confirmed positive cases of Coronavirus and has over 167,455 deaths. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Ao contrário do presidente Jair Bolsonaro, vice-presidente Hamilton Mourão diz que vai tomar vacina contra covid (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou, nesta segunda-feira (11), que pretende tomar a vacina contra o novo coronavírus, “de acordo com o planejamento”, ao contrário do presidente Jair Bolsonaro que disse que não tomará a vacina porque já teria anticorpos contra a doença.

“Dentro da minha vez. Eu sou grupo dois, de acordo com o planejamento. Não vou furar a fila. A não ser que seja propagandística, tá bom”, afirmou o vice a jornalistas, na chegada ao Palácio do Planalto.

Leia também

Especialistas afirmam que quem já contraiu o novo coronavírus deve se vacinar, já que casos de reinfecção estão sendo registrados em todo o mundo.

Mourão retornou nesta segunda ao trabalho após duas semanas de afastamento devido à covid-19.

“Eu tive três dias de sintomas mais pesados e depois não. Tomei a medicação que é preconizado e a partir do quinto, sexto dia eu estava bem”, disse. O vice-presidente declarou também que, entre os medicamentos, tomou hidroxicloroquina.

Ele também destacou o número de recuperados que tiveram a doença e atribuiu esse resultado à medicina.

“A nossa medicina está salvando mais de 97% das pessoas que são contaminadas. Infelizmente, esse número tem elevado. Eu perdi nesses últimos dias dois amigos de longa data pra essa doença, mas a nossa medicina tem feito um papel muito bom. Quando olha a realidade dos números, existe um número significativo de gente que faleceu, mas nós temos mais de 7 milhões de pessoas que estão curadas.”

A respeito da falta de seringas e agulhas para a vacinação contra a covid, Mourão afirmou que o governo está preparado para iniciar a campanha e que o planejamento não será afetado.

“Eu julgo que o pessoal da Saúde vinha preparando isso aí. Eu desde o ano passado disse que o governo ia adquirir toda e qualquer vacina que fosse certificada pela Anvisa. Ficou aquela discussão e, no final das contas, estão sendo adquiridas as vacinas que vão ser certificadas. Os estados têm material para iniciar a imunização e o governo federal pode fazer uma requisição de seringas e agulhas e completar aquilo que for necessário.”

“DISCUSSÃO POLÍTICA”

Em entrevista à Rádio Gaúcha, nesta segunda, o vice-presidente Hamilton Mourão também criticou a “discussão política” envolvendo a imunização no país, principalmente entre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro.

“Houve, sim, uma discussão política entre o nosso governo e o governo de São Paulo. O Doria avançou o sinal. Ele sempre quis se colocar como se fosse o amigo da ciência e o nosso governo não”.

“Isso leva a uma tensão que não foi boa para ninguém. (...) Em nenhum momento nos negamos a buscar a aquisição da vacina que fosse eficiente e eficaz para a nossa população”, disse Mourão.

Ao ser questionado sobre o argumento de executivos da Pfizer sobre a oferta de 70 milhões de doses ignorada pelo governo, o vice-presidente contou que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, teria manifestado a ideia de gravar a próxima reunião com representantes da farmacêutica. Segundo ele, o objetivo seria evitar “gerar dúvidas na população”.