Mercado abrirá em 3 h 15 min

Moura Dubeux precifica IPO em R$ 19 por ação e pode levantar R$ 1,25 bi

Jader Lazarini
Moura Dubeux precifica IPO em R$ 19 por ação e pode levantar R$ 1,25 bi

A incorporadora Moura Dubeux anunciou, na noite da última terça-feira (11), que definiu o preço de R$ 19 por ação em sua oferta pública inicial de ações (IPO). A faixa indicativa estava entre R$ 17 a R$ 21. Caso o lote suplementar, de 10,2 milhões de ações, seja incluído na oferta, a operação pode movimentar R$ 1,25 bilhão.

A Moura Dubeux tem reportado prejuízos, possui um alto endividamento e utilizará o capital levantado para quitar suas pendências. A oferta será primária e, segundo a companhia, 90% da captação líquida será direcionada para pagar dívidas com Bradesco BBI, com o BB Investimentos e com a Caixa.

Da dívida bruta de R$ 1,16 bilhão em setembro do ano passado, os três bancos, que fazem parte dos coordenadores do IPO, eram credores de R$ 998 milhões. Além dessas instituições, os demais bancos participantes da oferta são:

  • Itaú BBA
  • Credit Suisse

Resultados e perspectivas da Moura Dubeux

A incorporadora criada em Pernambuco, no Recife, sofreu o impacto da queda do mercado imobiliário de anos atrás. Em 2016 e 2017, a sua receita líquida girava em torno de R$ 600 milhões. Já em 2018, caiu para R$ 360 milhões. Em 2019, o resultado deve ser similar, mas ainda não foi divulgado.

Entretanto, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 95,8 milhões de janeiro a setembro do ano passado. Um ano antes, esse valor havia sido de R$ 12,5 milhões no mesmo período. Uma alta de 666,4%.

Todavia, o resultado líquido permanece negativo. Nos nove primeiros meses de 2019, o prejuízo foi de R$ 68 milhões, após um prejuízo de R$ 198 milhões um ano antes. No acumulado dos últimos quatro anos, a companhia apresentou R$ 375 milhões em perdas.

Confira: Construtoras podem economizar até R$ 700 mi com alteração em norma

A empresa reforça, como ponto forte em seu prospecto do IPO, que é a maior incorporadora imobiliária da região Nordeste, com 36 anos de história. Além disso, segundo a companhia, diferentemente de São Paulo, o ciclo de crescimento no setor imobiliário ainda não voltou a acontecer no Nordeste, o que abre margem para crescimento.

A ação da Moura Dubeux irá estrear na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) na próxima quinta-feira (13), representada pelo ticker MDNE3.