Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,97
    -2,31 (-3,03%)
     
  • OURO

    1.746,30
    -7,70 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    16.143,56
    -356,93 (-2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,21
    -4,44 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    16.857,39
    -716,19 (-4,08%)
     
  • NIKKEI

    28.138,47
    -144,56 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    11.677,75
    -105,00 (-0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5993
    -0,0251 (-0,45%)
     

Mourão pede altivez na derrota, cita 2026 e diz que golpe colocaria país em situação difícil

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  23-05-2022,  O vice presidente Hamilton Mourão concede entrevista coletiva no Palácio do Itamaraty Foto: Gabriela Biló /Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 23-05-2022, O vice presidente Hamilton Mourão concede entrevista coletiva no Palácio do Itamaraty Foto: Gabriela Biló /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) defendeu, no fim da tarde desta quarta-feira (2), o que chamou de manifestações ordeiras de bolsonaristas, mas afirmou que uma eventual ação de militares, como pedem os atos golpistas, é prejudicial ao Brasil.

"Agora querem que as Forças Armadas deem um golpe e coloquem o país numa situação difícil perante a comunidade internacional. As manifestações ordeiras, em justa indignação, são bem-vindas", afirmou nas redes sociais.

Senador eleito pelo Rio Grande do Sul, Mourão pediu "altivez" na derrota e citou a força para "bloquear as pautas puramente esquerdistas" e retornar "muito mais fortes em 2026".

No entanto, repetiu o tom do presidente Jair Bolsonaro (PL) em seu primeiro pronunciamento desde a derrota para Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições, e afirmou que os atos pacíficos são "bem-vindos".

"As manifestações ordeiras, em justa indignação, são bem-vindas", disse.

O vice-presidente ainda tentou imputar à anulação das condenações de Lula o motivo pelo qual os bolsonaristas pedem o golpe militar, afirmando que a "frustração" dos manifestantes surge no momento em que o STF (Supremo Tribunal Federal) fez aquele julgamento.

"Está na hora de lançar um manifesto explicando isso e dizendo que temos força para bloquear as pautas puramente esquerdistas, além de termos total capacidade de retornarmos muito mais fortes em 2026", afirmou.

Desde a derrota de Bolsonaro nas urnas, no domingo (30), manifestantes bolsonaristas têm bloqueado estradas em todo o país, em manifestações antidemocráticas que pedem por um golpe militar --que chamam de "intervenção federal"-- no Brasil.