Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,24
    -0,39 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.786,70
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    57.220,41
    +3.423,61 (+6,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,26
    +51,96 (+3,70%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.475,00
    -16,00 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4283
    -0,1110 (-1,70%)
     

Mourão ironiza meta climática anunciada por Bolsonaro e fala em estender GLO na Amazônia

Dimitrius Dantas
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia mas foi escanteado do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Cúpula dos Líderes sobre o Clima, realizado nesta quinta-feira, minimizou a importância do encontro e ironizou uma das promessas feitas inclusive pelo próprio presidente durante sua fala a chefes de governo de todo o mundo.

— Tinha desde grandes países até países bem pequenos (na cúpula). É mais uma carta de intenções que cada um colocou. E aí neguinho chega ali: "Em 2060...". Pô, nós todos já viramos pó — disse Mourão.

Durante seu discurso, entre outras promessas, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a antecipação da neutralidade de emissão de gases do efeito estufa de 2060 para 2050. Questionado sobre a promessa, Mourão disse que esse tipo de promessa faz parte, mas destacou o foco no desmatamento da Amazônia. Bolsonaro também anunciou o objetivo de acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.

— O que nós temos que fazer, qual o nosso problema hoje? Claro, objetivo: temos que reduzir o desmatamento na Amazônia. A gente fez isso, nós contribuímos com o que temos que contribuir — afirmou.

Apesar de atuar de coordenar os ministérios para o combate ao desmatamento por meio do Conselho da Amazônia, o vice não participou do discurso do presidente. Nesta quinta-feira, Mourão participou de três agendas: uma gravação de programa de rádio, uma entrevista a uma emissora paulista e um encontro com o ministro da Defesa, Walter Braga Netto.

No final da tarde, questionado sobre o encontro de líderes sobre o clima, Mourão diminuiu a importância do encontro.

— Essa cúpula de hoje foi uma ação do governo americano para retomar o protagonismo num tema que o governo anterior tinha abandonado. É uma reunião virtual de 40 chefes de estado dos mais diferentes possível.

GLO na Amazônia deve durar mais três meses

Durante a conversa com o ministro da Defesa, Braga Netto, Mourão discutiu a extensão do decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na Amazônia, que permite a manutenção de oficiais das Forças Armadas na região para atuar no combate ao desmatamento.

Segundo Mourão, o governo federal está estudando o assunto, mas antecipou que ele deve ser resolvido nos próximos dias, com a provável extensão da GLO por mais três meses, até 31 de julho.

O decreto deverá continuar nos mesmos termos, mas o governo ainda estuda a questão dos custos envolvidos. De acordo com Mourão, é possível fazer uma operação mais econômica.

— Vi que o ministro Salles estava com a ideia de usar a Força Nacional de Segurança, mas ela utiliza policiais militares dos estados, é mais complicado. Nosso problema é pessoal e quem tem pessoal são as Forças Armadas — afirmou Mourão.