Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,02
    -0,15 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.866,10
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    13.459,67
    -83,24 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,05
    +21,37 (+8,80%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.186,00
    -156,75 (-1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7428
    +0,0084 (+0,12%)
     

Mourão diz que proposta de reforma administrativa "poderia ter sido um pouco mais profunda"

Fabio Murakawa
·1 minuto de leitura

Ele defendeu que é preciso "melhorar essa proposta" no Congresso e afirmou que a reforma é "fundamental" O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quinta-feira que a reforma administrativa, enviada pelo governo ao Congresso em setembro, "poderia ter sido um pouco mais profunda", mexendo com os direitos dos atuais servidores. Mourão defendeu que é preciso "melhorar essa proposta" no Congresso e afirmou que a reforma é "fundamental". "Julgo que a reforma poderia ter sido um pouco mais profunda. Ela está ainda, vamos dizer assim, um tanto quanto sem ser.... não mexeu com direitos atuais. Ela só mexe com direitos futuros, daqueles que vão ingressar no futuro no serviço público", disse ele em uma live promovida pelo Centro de Liderança Pública (CLP) sobre sustentabilidade. "Nós temos que melhorar essa proposta, levar essa discussão para dentro do Congresso." Mourão, que preside o Conselho da Amazônia, queixou-se de que não pode "trazer gente de outras áreas" para trabalhar em agências como o Ibama e o ICMBio, órgãos vinculados ao Ministério do Meio Ambiente, "por causa da questão da finalidade do concurso que a pessoa prestou". "Nós tínhamos que ter aproveitar logo agora essa reforma também para poder fazer essa transferência interna de áreas onde temos excesso de gente para áreas onde nós temos menos gente", disse. "Aí você daria o treinamento necessário e o cara saltaria da função de datilógrafo, vamos dizer assim, para a função do Ibama ou do ICMBio, acho que isso era até uma linha de ação mais barata." O vice-presidente, Hamilton Mourão Romério Cunha/VPR