Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,98
    -2,97 (-4,25%)
     
  • OURO

    1.776,10
    -9,10 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    57.195,21
    -1.174,43 (-2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.456,40
    +13,62 (+0,94%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.236,25
    -154,50 (-0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3768
    +0,0476 (+0,75%)
     

Moto G8: ainda vale a pena comprar?

·7 min de leitura

A linha G, da Motorola, é um dos grandes sucessos da marca americana. Com seu primeiro aparelho da linha lançado em 2013, essa família vem sendo atualizada ano após ano, com o mais recente Moto G100 deixando o campo dos intermediários para se aventurar entre os top de linha econômicos.

Ainda é possível encontrar alguns modelos antigos disponíveis no mercado, incluindo o G8 normal, sobre o qual falaremos hoje. Com tantos celulares sendo lançados no momento, será que ainda vale a pena adquirir um aparelho fabricado no começo de 2020? Confira na nossa matéria.

Preço

Começamos o nosso artigo falando sobre os preços do Moto G8. Lançado em Março de 2020 por R$ 1.299, é possível encontrá-lo nos dias atuais pela faixa de R$ 1.000, aproximadamente. Um valor bastante competitivo, mesmo para um celular já lançado há algum tempo.

Traseira do Moto G8
Traseira do Moto G8

Se pensarmos que uma parte dos concorrentes diretos do G8 estão sendo lançados até R$ 400 mais caros — Samsung Galaxy M32, por exemplo —, o valor que a Motorola oferece nesse modelo ainda é bastante viável e considerável para 2021.

Mas vale lembrar que essa variação de preços acontece, principalmente, por conta da alta do dólar ocorrer com bastante frequência nos últimos meses, influenciando diretamente nos produtos eletrônicos.

Design

O G8 possui design simples e sem grandes características, algo esperado quando falamos de aparelhos intermediários. Sua traseira é feita em plástico, com detalhes parecidos com ranhuras, trazendo aspecto premium ao produto. Na parte superior, ao centro, temos o leitor de digitais com o logo da Motorola, e o conjunto de câmeras mais ao lado. Ao todo, temos três sensores e o flash, sobre os quais falaremos detalhadamente mais à frente.

Nas laterais, encontram-se os seguintes botões: aumento/diminuição de volume, ligar/desligar o celular e as entradas para carregamento e fone de ouvido do tipo P2, separadas. Gosto bastante desse detalhe, inclusive, já que cada vez mais as marcas têm sacrificado o conector 3,5 mm, obrigando os usuários a escolher fones sem fio, ou, a utilizar adaptadores na entrada de recarga da bateria.

Modelo foi lançado em várias opções de cor
Modelo foi lançado em várias opções de cor

Um ponto bem bacana é que a Motorola manda os fones de ouvidos dentro da caixa do aparelho, algo que também está sendo deixado de lado por grande parte das fabricantes em 2021. Uma pena.

A tela tem 6,4’’ (com aproveitamento de 82,2%), seguindo a tendência de painéis cada vez maiores. Diferentemente do Moto G8 Plus — que possui recorte em formato de gota para a câmera frontal, ao centro —, o G8 tem sua câmera frontal posicionada na lateral superior à esquerda, destacada da borda.

Tela

O painel é do tipo IPS LCD, e tem boa qualidade no geral. Suas 6,4’’ com resolução 720 x 1560 (HD+) entregam imagens bonitas, com boa qualidade, nitidez e cores fidedignas. As bordas são finas, com o aproveitamento da face frontal de 82,2% confirma a minha informação.

O único detalhe que pode trazer certo “incômodo” para alguns usuários é o fato da tela não ser exatamente centralizada no corpo do aparelho, ficando a borda inferior um pouco mais grossa que as outras. Na minha opinião, isso não é exatamente um problema, mas acho a informação válida caso tenha interesse em adquirir o aparelho.

Hardware e Software

Por se tratar de um celular intermediário lançado no primeiro semestre de 2020, o Moto G8 entrega performance satisfatória em diversos aspectos. Começando pelo chipset que dá vida ao aparelho, o Snapdragon 665, de 11 nm.

Se pensarmos que existem aparelhos sendo lançados na atualidade com essa mesma plataforma, é possível perceber que esse modelo ainda segue sendo uma opção considerável nos dias de hoje. E, apesar de os seus 4 GB de memória RAM serem taxados como “mínimo” para os apps e jogos existentes, a resolução HD+ da tela compensa no desempenho do G8 por não exigir maior consumo de recursos do aparelho.

Mesmo que o usuário queira jogar games mais atuais, poderá ficar menos preocupado em relação a essa questão.

Essa versão também recebeu a atualização para o Android 11, algo positivo e inesperado para celulares Motorola. A fabricante, que é conhecida por não oferecer muitas atualizações para seus aparelhos, resolveu fazer diferente nesse modelo, deixando o G8 como uma opção válida e considerável ainda em 2021.

Caption
Caption

O único ponto que pode ser decepcionante para alguns usuários é a ausência da frequência 5 GHz no Wi-Fi. Infelizmente, a Motorola acabou pecando nesse aspecto ao deixar essa característica de fora, o que pode ser fator determinante para adquirir ou não esse modelo. Posso afirmar que, para a utilização “normal” do dia a dia, a frequência de 2,4 GHz dá conta do recado. Mas, se seu uso é mais específico e a velocidade da internet é fator determinante, vale procurar outros celulares que possuam as duas bandas disponíveis.

Ou seja: se você não é um usuário avançado, mas, ainda assim, gosta de jogar alguns games e utilizar o aparelho de forma moderada, o Moto G8 continua como opção acessível em hardware, software, e, principalmente, preço.

Conjunto de Câmeras

O conjunto de câmeras do Moto G8 entrega qualidade mediana, mas com boas características gerais. Temos três sensores localizados na parte traseira do aparelho — 16 MP (angular); 8 MP (ultra-angular); e 2 MP (macro) —, dispostos de forma vertical, um embaixo do outro. Já o sensor frontal é de 8 MP, sem grandes diferenciais.

Se pensarmos que boa parte dos celulares lançados agora contam com câmeras superiores, o G8 consegue se manter na briga com fotos menos detalhadas, mas ainda bonitas e com qualidade satisfatória. As cores são mantidas bem próximas à realidade, além de as imagens ficarem bastante nítidas quando a luz do local favorece.

Moto G8 (Imagem: Motorola)
Moto G8 (Imagem: Motorola)

Infelizmente, não podemos dizer o mesmo para fotos com meia luz, ou quando as capturas são feitas à noite, já que a ausência do “night mode” nesse modelo interfere diretamente nessa questão.

A macro de 2 MP é razoável, mas, como a maioria das lentes com essas mesmas características, tira fotos “passáveis”, um pouco borradas, e sem grandes qualidades a serem mencionadas. Por fim, a câmera frontal de 8 MP é boa e tira selfies legais para as redes sociais, além do modo “bokeh” trazer efeito de desfoque de profundidade nas capturas (também conhecido como “modo retrato”).

Bateria

E vamos para um dos pontos altos desse modelo: a bateria. Apesar de dar a sensação que seus 4.000 mAh não entregam boa autonomia, o Moto G8 consegue provar que uma configuração condizente faz toda a diferença para esse assunto.

Um dos quesitos responsáveis pela duração é a resolução do aparelho ser HD+. Parece não fazer sentido em um primeiro momento, mas quanto maior a quantidade de pixels, maior será o consumo de desempenho do chipset, e, consequentemente, o gasto de energia ao realizar as tarefas.

Logo, se você for um usuário moderado, espere autonomia de um dia inteiro com esse modelo, sem a necessidade de procurar nenhuma tomada para recarregá-lo nesse ínterim.

E aí, vale a pena?

O G8, da Motorola, é certamente um aparelho que ainda vale a pena, mesmo em 2021. Por mais que ele não conte com algumas características presentes em seus irmãos da mesma linha — como a resolução full HD e o modo noturno disponível no G8 Power, por exemplo —, a boa autonomia da bateria, aliado ao chipset Snapdragon 665 e 4 GB de memória RAM, entregam um aparelho completo e com aspectos bastante positivos.

O preço também é fator determinante ao responder essa pergunta, principalmente porque a alta do dólar influenciou bastante no valor dos últimos lançamentos de aparelhos intermediários aqui no Brasil, deixando o G8 novamente em destaque por sua faixa de preço estar entre R$ 1.000 a R$ 1.100, aproximadamente. O conjunto de câmeras poderia ser melhor, mas para registros triviais e garantir as redes sociais atualizadas, cumpre seu papel sem grandes problemas.

Moto G8 (Imagem: Motorola)
Moto G8 (Imagem: Motorola)

Ainda assim, se você está receoso e gostaria de garantir um aparelho mais recente e similar ao Moto G8, uma boa escolha dentro do catálogo da Motorola é o Moto G30. Ele custa uns R$ 300 ou R$ 400 a mais, mas entrega o dobro de armazenamento interno e um conjunto de câmeras mais avançado.

E, caso queira adquirir o Moto G8, basta acessar o nosso link para garantir o menor preço.

Esperamos que a nossa “análise” tenha te ajudado na escolha do seu novo smartphone. Até a próxima!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos