Mercado abrirá em 1 h
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,05
    +0,50 (+0,62%)
     
  • OURO

    1.791,80
    +31,90 (+1,81%)
     
  • BTC-USD

    17.099,82
    +216,50 (+1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,10
    +4,40 (+1,10%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.582,86
    +9,81 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.015,75
    -26,50 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4416
    +0,0451 (+0,84%)
     

Moscou defende proteção total para áreas anexadas da Ucrânia

(Reuters) - O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse às Nações Unidas que as regiões da Ucrânia que estão tendo referendos obterão "proteção total" da Rússia se fossem anexadas por Moscou.

As votações em quatro regiões do leste da Ucrânia, destinadas a anexar o território que a Rússia tomou à força desde sua invasão em fevereiro, tiveram seu terceiro dia neste domingo. O parlamento russo pode avançar para formalizar a anexação dentro de dias.

Ao incorporar as quatro áreas de Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia à Rússia, Moscou poderia retratar os ataques para retomá-los como um ataque à própria Rússia, um aviso a Kyiv e seus aliados ocidentais.

As anexações russas aumentam o risco de um confronto militar direto entre a Rússia e a aliança militar da Otan, já que armas ocidentais estão sendo usadas pelas tropas ucranianas.

A Ucrânia e seus aliados rejeitaram os referendos como uma farsa projetada para justificar uma escalada da guerra e uma mobilização de Moscou após recentes perdas no campo de batalha.

Putin ordenou na quarta-feira a primeira mobilização militar da Rússia desde a Segunda Guerra Mundial. A medida desencadeou protestos em toda a Rússia e fez com que muitos homens em idade militar fugissem.

Dois parlamentares importantes da Rússia abordaram no domingo uma série de queixas sobre a mobilização, ordenando que autoridades regionais controlassem a situação e resolvessem rapidamente os "excessos" que provocaram a ira pública.

Dirigindo-se à Assembleia Geral da ONU e à mídia mundial no sábado, Lavrov procurou justificar a invasão russa, repetindo as falsas alegações de Moscou de que o governo eleito em Kyiv foi instalado de forma ilegítima e cheio de neonazistas.

Quase três quartos dos países na assembleia votaram para repreender a Rússia e exigir que ela retire suas tropas.

Questionado se a Rússia teria motivos para usar armas nucleares para defender regiões anexadas, Lavrov disse que o território russo, incluindo o "consagrado ainda mais" na Constituição futura da Rússia, "está sob a proteção total".

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que as menções da Rússia ao possível uso de armas nucleares são "absolutamente inaceitáveis".

A Duma, a câmara baixa do parlamento russo, pode debater projetos de lei que incorporem as partes ocupadas pelos russos da Ucrânia à Rússia na quinta-feira, disse a agência de notícias estatal TASS no sábado, citando uma fonte não identificada.

A agência Interfax citou uma fonte dizendo que a câmara alta poderia considerar o projeto no mesmo dia, e a RIA Novosti, também citando uma fonte, disse que Putin poderia estar se preparando para fazer um discurso formal em uma sessão conjunta extraordinária de ambas as câmaras na sexta-feira.

A Rússia diz que os referendos, organizados às pressas após a Ucrânia recapturar áreas do nordeste em uma contra-ofensiva, permitem que as pessoas nessas regiões expressem sua opinião.

O território controlado por forças russas nas quatro regiões representa cerca de 15% do território ucraniano. Adicionando a Crimeia, que a Rússia anexou em 2014, a Rússia ganharia uma área equivalente ao Estado americano da Pensilvânia.

Mas a Rússia não controla totalmente nenhuma das quatro regiões, com apenas cerca de 60% da região de Donetsk controlada por forças russas ou apoiadas pela Rússia. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse neste domingo que seu país vai recuperar todo o território que a Rússia tomou.

Ucrânia e Rússia trocaram acusações no domingo de ataques a civis. A Rússia usou drones para atacar a cidade de Odesa disseram militares ucranianos. Não houve relatos de vítimas.

A Rússia nega ter atacado civis deliberadamente.

Sua agência de notícias estatal RIA informou que as forças ucranianas bombardearam um hotel na cidade de Kherson, matando duas pessoas. As forças russas ocuparam a cidade do sul desde os primeiros dias da invasão em 24 de fevereiro.

Não houve resposta imediata da Ucrânia.

O Ministério da Defesa da Rússia também disse que as forças ucranianas continuaram os ataques ao redor da usina nuclear de Zaporizhzhia, no sul do país, incluindo o lançamento de oito "drones kamikaze" na instalação, que ela controla.

A mobilização provocou agitação na Rússia. Mais de 2.000 pessoas foram detidas no país por protestarem contra o conflito.

(Reportagem da Reuters)