Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.122,33
    -1.298,20 (-2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Mortes por Covid-19 na França ultrapassam 100 mil, oitavo maior número no mundo

·1 minuto de leitura
Paciente com Covid-19 em Lille, na França

PARIS (Reuters) - O número de mortos pela Covid-19 na França superou nesta quinta-feira a marca de 100 mil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, uma estatística sombria para o governo do presidente Emmanuel Macron.

Os dados do website Geodes, do Ministério da Saúde francês, informam que os hospitais franceses registraram 300 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, o que coloca o número total de mortos pela doença acima de 100 mil.

"Como toda a nossa energia está focada em sair dessa situação, não vamos esquecer nenhum rosto ou nome", disse Macron no Twitter.

A França tem o oitavo maior número de mortos pela Covid-19. Os Estados Unidos são o pior país em termos de mortos pela Covid, com 564.759 mil mortos, seguidos por Brasil, Rússia e México, de acordo com uma contagem da Reuters.

No mundo, a soma total de mortos passa de três milhões.

As mortes por coronavírus na França agora praticamente dobraram a partir dos 52 mil mortos no final do segundo lockdown do país, no fim de novembro.

Nos últimos 30 dias, a França registrou em média pouco mais de 300 mortes pela Covid-19 por dia, ou 9 mil por mês, em comparação com as 16 mil por mês durante o segundo lockdown.

(Reportagem de Dominique Vidalon, Geert De Clercq e Matthieu Protard)