Mercado fechado

Com 922 registros em 24 horas, total de vítimas da covid-19 se aproxima de 120 mil

Marcella Fernandes
·2 minutos de leitura

O total de mortes causadas pela covid-19 chegou a 119.571 nesta sexta-feira (28), de acordo com levantamento do Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), com registros compilados até 18h. Foram 922 óbitos notificados nas últimas 24 horas.

Em números absolutos, o estado de São Paulo lidera o ranking de vítimas fatais com 29.694 registros, seguido pelo Rio de Janeiro, com 15.926, Ceará (8.376), Pernambuco (7.512) e Pará (6.106).

Quanto aos casos confirmados, o acumulado é de 3.812.605, sendo 51.214 notificados nas últimas 24 horas.

Na comparação internacional, o Brasil fica atrás apenas dos Estados Unidos no ranking mundial e é o segundo país com mais mortes causadas pela covid-19, de acordo com o mapeamento do Centro de Recursos de Coronavírus da Universidade Johns Hopkins.

Os dois países repetem as posições também em relação ao número de diagnósticos. No território norte-americano, foram registrados mais de 5,8 milhões de casos. A diferença entre as taxas de testagem entre os dois países - mais de 30 mil testes por milhão de habitantes nos EUA e menos de 10 mil por milhão de habitantes no Brasil - é uma evidência da subnotificação da crise sanitária no cenário brasileiro.

Ao considerar a população de cada nação, o Brasil passou da 10ª para 9ª posição no ranking de diagnósticos, com 17.487,61 casos por milhão de habitantes, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde). O país é o 10º em relação aos óbitos, com 553,56 por milhão de habitantes.

O novo coronavírus já causou mais de 833 mil mortes no mundo. São cerca de 24,5 milhões de casos confirmados, de acordo com dados da Universidade de Hopkins, atualizados nesta sexta.

Internações seguem altas

De acordo com o Boletim InfoGripe mais recente, com dados de 16 a 22 de agosto, no cenário nacional, as internações por SRAG (síndrome respiratória aguda grave) seguem em nível muito alto, considerado zona de risco. Há,...

Continue a ler no HuffPost