Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.704,60
    +157,61 (+1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Brasil se aproxima de 4 milhões de casos de covid-19, mesmo com subnotificação

Marcella Fernandes
·2 minutos de leitura

O Brasil se aproxima da marca de 4 milhões de casos confirmados do novo coronavírus, mesmo com as limitações de testagem que levam à subnotificação. São 3.950.391 diagnósticos confirmados desde o início da pandemia, de acordo com levantamento do Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), com registros compilados até 18h desta terça-feira (1º). Foram 42.659 casos notificados nas últimas 24 horas.

Os óbitos, por sua vez, somam 122.596, sendo 1.215 registrados de segunda para terça. Em números absolutos, o estado de São Paulo lidera o ranking de vítimas fatais com 30.375 notificações, seguido pelo Rio de Janeiro, com 16.217, Ceará (8.447), Pernambuco (7.614) e Pará (6.176).

Na comparação internacional, o Brasil fica atrás apenas dos Estados Unidos no ranking mundial e é o segundo país com mais mortes causadas pela covid-19, de acordo com o mapeamento do Centro de Recursos de Coronavírus da Universidade Johns Hopkins.

Os dois países repetem as posições também em relação ao número de diagnósticos. No território norte-americano, foram registrados mais de 6 milhões de casos. A diferença entre as taxas de testagem entre os dois países é uma evidência da subnotificação da crise sanitária no cenário brasileiro. A média de testes diários é de 37 por 100 mil habitantes no Brasil e de 141 mil por 100 mil habitantes nos Estados Unidos.

Ao considerar a população de cada nação, o Brasil ocupa a 10ª posição no ranking de diagnósticos, com 18.170,5 por milhão de habitantes, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde). O país também é o 10º na comparação em relação aos óbitos, com 568,44 por milhão de habitantes.

O novo coronavírus já causou mais de 851 mil mortes no mundo. São cerca de 25,5 milhões de casos confirmados, de acordo com dados da Universidade de Hopkins, atualizados nesta terça.

O ritmo da epidemia no Brasil

De acordo com boletim mais recente do Ministério...

Continue a ler no HuffPost