Mercado abrirá em 9 h 34 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,84
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.862,50
    -3,40 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    40.490,65
    +1.604,54 (+4,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.010,87
    +42,03 (+4,34%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.527,67
    -314,46 (-1,09%)
     
  • NIKKEI

    29.375,94
    +214,14 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    14.141,75
    +17,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1451
    +0,0136 (+0,22%)
     

Morte de Paulo Gustavo repercute no New York Times, Guardian e Le Figaro

·1 minuto de leitura

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - A morte do ator Paulo Gustavo nesta terça (4), aos 42 anos, em decorrência da Covid, repercutiu no New York Times.

O obituário publicado nesta sexta (7) no site do jornal americano o descreveu como "o comediante que fez troça das mães brasileiras", em referência à sua personagem mais expressiva, Dona Hermínia, de "Minha Mãe é uma Peça".

"Em uma nação sitiada por uma pandemia que matou mais de 400 mil pessoas, a morte de Paulo Gustavo gerou uma rara manifestação generalizada de luto", afirmou o jornal.

O New York Times também citou uma análise que o professor Renan Quinalha escreveu para este jornal. "Ocupou as telas e o lar de homofóbicos que se enxergaram, se emocionaram e se desconstruíram com seus personagens. Fez da sua vida e da sua arte bandeiras para ampliar horizontes morais e questionar preconceitos arraigados", reproduziu o jornal americano.

A morte do comediante também ganhou uma nota no site do Guardian, periódico britânico, que contextualizou a repercussão política do ocorrido. A morte foi lamentada tanto por Lula quanto por Jair Bolsonaro, disse o veículo, e o Senado brasileiro fez um minuto de silêncio em homenagem ao artista.

O humorista também foi lembrado pelo francês Le Figaro, que destacou a força do ator nas redes sociais e o impacto de sua morte para a sociedade brasileira. O jornal ainda ressaltou que o Brasil é o segundo país com mais mortes por Covid-19 no mundo.

Na quarta-feira (5), os jornais argentinos Clarín e La Nación já tinham noticiado a comoção do povo brasileiro com a morte do ator.