Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,95
    -0,39 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.803,30
    -3,90 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    23.918,38
    +4,98 (+0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,13
    -1,61 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.465,91
    -41,20 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.332,50
    +21,25 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3236
    -0,0001 (-0,00%)
     

'Morte' do Internet Explorer causa problemas no Japão

Aposentadoria do Internet Explorer vem causando problemas em negócios e agências governamentais no Japão. Foto: Costfoto/Future Publishing/Getty Images.
Aposentadoria do Internet Explorer vem causando problemas em negócios e agências governamentais no Japão. Foto: Costfoto/Future Publishing/Getty Images.
  • No Japão, muitos negócios e agências governamentais utilizavam o Internet Explorer;

  • Pesquisa mostra que grande parte das organizações do país confiava no navegador;

  • A Microsoft aposentou o navegador no último dia 15 de junho, após 27 anos de funcionamento.

A Microsoft aposentou o navegador Internet Explorer no último dia 15 de junho, após 27 anos de funcionamento, para se dedicar ao Microsoft Edge. Contudo, se em muitas regiões a ‘aposentadoria’ do browser passou despercebida, no Japão, a sensação foi de pânico.

Apesar de o país ser considerado uma potência tecnológica, diversas empresas usam sistemas e trabalham com meios mais tradicionais. Muitos negócios, e principalmente agências governamentais, instituições financeiras e companhias de manufatura e logística operavam sites compatíveis somente com o Explorer.

Leia também:

Uma pesquisa de março, realizada pelo Keyman’s Net, provedor de recursos de tecnologia da informação, apontou que grande parte das organizações do país confiava no navegador, com 49% dos entrevistados alegando que utilizavam o browser para trabalho.

Segundo eles, o Explorer era usado para gerenciar o atendimento de funcionários, liquidar despesas e ferramentas intranet.

Em certos casos, esses entrevistados não tiveram opção a não ser utilizar o navegador, já que os sistemas usados pelos clientes para lidar com pedidos o exigiam.

Dos participantes da pesquisa, mais de 20% não sabiam ou não haviam descoberto como realizar a transição para outros browsers após o fim do Explorer.

O Explorer foi lançado em 1995 e se tornou o principal navegador do mundo por mais de uma década, já que era fornecido junto com o sistema operacional Windows. Contudo, no final dos anos 2000, o Google Chrome começou a tomar protagonismo.

*Com informações do Financial Times.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos