Mercado abrirá em 2 h 8 min
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,53
    +1,09 (+1,32%)
     
  • OURO

    1.780,70
    +15,00 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    62.265,92
    +619,34 (+1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.452,73
    +1,09 (+0,08%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.207,09
    +3,26 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.332,50
    +42,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4123
    +0,0208 (+0,33%)
     

Morte de adolescente de SP não tem relação com vacina contra a covid-19

·2 minuto de leitura

Em 25 de agosto, uma adolescente de 16 anos de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, tomou a primeira dose da vacina contra covid-19 da Pfizer. No dia 2 de setembro, a jovem foi a óbito, o que levantou uma investigação acerca da relação entre sua morte e o imunizante em questão. No entanto, na última terça (21), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) participou de uma reunião com especialistas que conduziram a investigação sobre a morte da garota. A conclusão é que sua morte não teve relação com a vacinação.

O óbito foi ocasionado por um quadro clínico característico de púrpura trombótica trombocitopênica (PTT), uma doença autoimune. A avaliação dos especialistas investigadores contou com acesso aos dados de prontuário da paciente, incluindo exames complementares. Também foi validada a conclusão de que a paciente não apresentou qualquer doença cardiológica.

(Imagem: Micens/Envato Elements)
(Imagem: Micens/Envato Elements)

Uma vez fechado o diagnóstico, foi feita uma avaliação da relação entre a PTT e a vacinação. Tal avaliação considera, além dos dados das notificações, dados obtidos na investigação, informações sobre a existência de casos semelhantes em outros países, além de evidências científicas relatadas na literatura nacional e internacional. Assim, descartou-se a possibilidade de o óbito ter sido relacionado à administração da vacina. Até o momento, de acordo com a Anvisa, os benefícios da vacinação excedem significativamente os seus potenciais riscos.

“O relatório de investigação elaborado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo foi recebido pela agência na noite deste domingo, 19 de setembro, contendo detalhes de todo o processo de avaliação que concluiu não ser possível atribuir diretamente o óbito à vacinação”, informou a Anvisa, em nota. A agência notificará a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre as investigações para avaliação quanto a qualquer possível sinal de segurança.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos