Mercado abrirá em 2 h 17 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,11
    +0,61 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.635,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.049,28
    -1.204,23 (-5,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,92
    -24,22 (-5,27%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.940,32
    -44,27 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.246,25
    -87,50 (-0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1336
    -0,0263 (-0,51%)
     

Morre Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras e 1º delator da Lava Jato

Paulo Roberto Costa durante depoimento à comissão que investigou suspeitas de corrupção na Petrobras, em maio de 2015 (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Paulo Roberto Costa durante depoimento à comissão que investigou suspeitas de corrupção na Petrobras, em maio de 2015 (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Morreu neste sábado (13) no Rio de Janeiro o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, aos 68 anos. A informação foi confirmada à reportagem pela família, que afirmou que ele sofria de câncer.

Costa foi o primeiro delator da Operação Lava Jato, deflagrada em 2014, e se tornou pivô do escândalo da Petrobras em seu primeiro ano.

O ex-diretor foi preso em março de 2014, quando a investigação chegou a ele após apuração que inicialmente mirava o doleiro Alberto Youssef. A Polícia Federal (PF) descobriu à época que o doleiro havia comprado um automóvel Land Rover para o executivo da estatal.

Costa dirigiu a área de Abastecimento da empresa de 2004 a 2012, durante os governos Lula e Dilma Rousseff. Sua escolha para o cargo foi cercada de controvérsia, já que partiu de indicação do PP - os relatos eram de que líderes do partido exigiram o posto já tendo em vista o potencial de arrecadação nos contratos dessa área.

Em plena reta final da campanha presidencial de 2014, seus depoimentos com relatos de desvios na Petrobras começaram a ser divulgados.

Ele dizia que um cartel de empreiteiras foi formado nos negócios da Petrobras e que havia pagamento de propina, sendo parte destinada aos executivos da estatal e parte aos partidos políticos, incluindo PT, PMDB e PP.