Mercado abrirá em 4 h 28 min
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,76
    +0,67 (+1,01%)
     
  • OURO

    1.697,20
    -1,30 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    49.786,12
    +157,21 (+0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.003,89
    +60,71 (+6,44%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.661,31
    +30,79 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    28.540,83
    -557,46 (-1,92%)
     
  • NIKKEI

    28.743,25
    -121,07 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.442,50
    -221,25 (-1,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7748
    -0,0032 (-0,05%)
     

Morre o poeta americano Lawrence Ferlinghetti, o último dos beatniks

O Globo
·1 minuto de leitura

Morreu nesta segunda-feira (22), o poeta americano Lawrence Ferlinghetti, um dos últimos remanescentes da Geração Beat, que escandalizou a literatura americana nos anos 1950. Autor de "Um parque de diversões na cabeça", Ferlinghetti tinha 101 anos e vivia em São Francisco, na Califórnia, onde fundou a icônica livraria City Lights. Ao "Washington Post", Lorenzo, o filho, afirmou que Ferlinghetti morreu em decorrência de uma doença pulmonar. Na tarde desta terça (23), as redes sociais da City Lights anunciaram a morte do "poeta e herói". "Nós te amamos, Lawrence", diz o tuíte, que traz o link para um texto em homenagem a Ferlinghetti publicado no site da livraria.

"Por mais de 60 anos, aqueles d enpos que trabalharam com ele na City Lights foram inspiraddos por seu conhecimento e amor à literatura, sua coragem na defesa do direito à liberdade de expressão, e seu papel vital como embaixador da cultura americana", diz o texto. "Sua curiosidade era ilimitada e seu entusiasmo contagioso, e nós sentiremos muitas saudades dele."

O texto ainda expressa o compromisso dos funcionários de honrar a memória de Ferlinghetti e manter a City Lights aberta ao debate intelectual e comprometida com "a cultura literária e a política progressista". "Embora lamentemos sua morte, celebramos suas muitas contribuições e agradeemos por todos os anos que pudemos trabalhar a seu lado", termina o texto.