Mercado abrirá em 7 h 22 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,46
    -1,04 (-1,32%)
     
  • OURO

    1.631,90
    -4,30 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    18.757,41
    -1.285,46 (-6,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,21
    -29,92 (-6,52%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.401,87
    -458,44 (-2,57%)
     
  • NIKKEI

    25.975,41
    -596,46 (-2,24%)
     
  • NASDAQ

    11.229,25
    -104,50 (-0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1400
    -0,0199 (-0,39%)
     

Morre o cirurgião argentino Domingo Liotta, pioneiro do coração artificial

O reconhecido cirurgião argentino Domingo Liotta, pioneiro da cirurgia cardiovascular e do uso clínico do coração artificial, morreu aos 97 anos em Buenos Aires, informou nesta quinta-feira (1º) sua família.

Liotta foi também médico pessoal do ex-presidente Juan Perón e secretário de Saúde em seu último governo (1973-1974). Depois, entre 1994 e 1996, foi titular da Secretaria de Ciência e Tecnologia da Argentina, durante a presidência de Carlos Menem.

“Ele foi um homem grande de verdade, um pioneiro. Um incansável. Sempre foi discreto, simples. Nunca quis abrir uma clínica privada. Um sujeito desapegado do dinheiro e unido à família. Sua grande preocupação era a humanidade”, declarou seu filho, Patrick Liotta, à agência oficial Télam ao confirmar a morte.

Nascido em 29 de novembro de 1924, o médico faleceu na noite de quarta-feira de uma isquemia intestinal. Seu corpo será transportado para a cidade de Diamante, a 350 km, onde está a casa onde passou sua infância, que agora funciona como museu.

Liotta começou seus trabalhos sobre o coração artificial total durante sua residência na Universidade de Lyon, na França, para onde foi em 1955 e, em 1960, voltou à Argentina para seguir com sua pesquisa, de acordo com sua biografia, publicada pela fundação dedicada a pesquisas médicas que leva seu nome.

Em 1961, passou a integrar o Departamento de Cirurgia Cardiovascular de Michael DeBakey na Universidade Baylor de Houston, nos Estados Unidos. Foi lá que descobriu a assistência mecânica cardiocirculatória com um ventrículo artificial incorporado para o tratamento da insuficiência cardíaca irreversível.

Em 19 de julho de 1963 realizou, junto com o americano Stanley Crawford, o primeiro implante clínico na história da medicina com uma bomba intratorácica no Hospital Metodista de Houston.

Em 4 de abril de 1969, Liotta e Denton Cooley implantaram pela primeira vez no mundo um coração artificial total, que manteve um paciente vivo por 64 horas, até ele receber um transplante, explica sua biografia.

O protótipo clínico original do Coração Artificial Total Liotta-Cooley foi escolhido em 2006 para ser exibido no setor de “Tesouros da História Americana” no Smithsonian Institution nos Estados Unidos.

Liotta, que voltou em 1971 a Buenos Aires, onde viveu até sua morte, recebeu honrarias na Espanha e na Itália e foi diretor honorário do Instituto do Coração de Guangzhou, na China.

ls/nn/dg/ic/mvv