Mercado abrirá em 2 h 46 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,39
    +0,57 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.833,90
    +9,90 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    50.388,47
    +479,43 (+0,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.394,27
    +6,36 (+0,46%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.003,69
    +40,36 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.238,25
    +138,00 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4272
    +0,0147 (+0,23%)
     

Morre no Rio, de Covid, o jornalista Aloy Jupiara, autor do livro 'Os porões da contravenção'

·2 minuto de leitura

O jornalista Aloy Jupiara faleceu na noite dessa segunda-feira, aos 56 anos, vítima da Covid-19. Jurado do Estandarte de Ouro de O Globo, Aloy escreveu, em parceria com o também jornalista Chico Otávio, os livros "Deus tenha misericórdia dessa nação: A biografia não autorizada de Eduardo Cunha", e "Os Porões da Contravenção", que abordava a história do jogo do bicho no Rio de Janeiro. Recentemente, participou do documentário "Doutor Castor", sobre o bicheiro Castor de Andrade, em exibição na Globoplay.

O jornalista estava internado no CTI do Hospital São Francisco, na Tijuca, desde o dia 29 de março. Chegou a ser intubado, mas não resistiu a uma infecção pulmonar.

Muito querido no meio jornalístico, Aloy se destacava sobretudo pelo semblante tranquilo, não importava a situação. Sempre bem humorado, tinha verdadeira paixão pelo trabalho nas redações, que talvez só não fosse maior do que o amor incondicional ao Carnaval, em especial por sua escola de samba de coração, Império Serrano.

Foi justamente esse envolvimento com o Carnaval carioca que fez com que Aloy integrasse o grupo responsável por transformar o Samba do Rio em patrimônio imaterial do Brasil, em 2007.

Ainda na noite de segunda-feira, a notícia da morte de Aloy repercutiu nas redes sociais. O historiador e escritor Luiz Antonio Simas postou no Twitter: "Muito triste. Foi Aloy Jupiara que, em 2012, ligou me convidando para ser jurado do Estandarte de Ouro. Convivi ao longo desses anos com um cara doce, sério, generoso, divertido; tremendo jornalista! Mais um que a peste, auxiliada pela irresponsabilidade do poder público, leva".

Aloy Jupiara era formado na Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ. De 1987 a 2000, trabalhou como repórter, coordenador e subeditor de Rio e Nacional/Política do jornal O Globo. Entre 2001 e 2004, foi editor do site do jornal. Em 2009, liderou a equipe que criou o site do jornal EXTRA. Atualmente, ocupava o cargo de diretor de redação do jornal O Dia.