Mercado fechará em 3 h 6 min
  • BOVESPA

    129.775,82
    -315,26 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.750,12
    -158,06 (-0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,26
    +0,14 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.861,50
    +5,10 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    38.682,69
    -1.518,94 (-3,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    957,46
    -35,01 (-3,53%)
     
  • S&P500

    4.235,07
    -11,52 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.190,59
    -108,74 (-0,32%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,69 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.011,75
    -18,50 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0556
    -0,0623 (-1,02%)
     

Morre German Lorca, aos 98 anos, último representante do Foto Cine Clube Bandeirante

·2 minuto de leitura

Morreu o fotógrafo German Lorca, aos 98 anos, o último integrante do Foto Cine Clube Bandeirante, grupo que modernizou a linguagem visual no país na década de 40. A informação foi divulgada nas redes sociais por familiares e amigos de Lorca.

O trabalho de Lorca é marcado por imagens em preto e branco, que exploram a geometria das composições. Suas lentes registraram o processo de modernização da cidade de São Paulo nos anos 1950 e 1960.

Após largar a carreira na contabilidade para se dedicar à fotografia, Lorca se associou ao Foto Cine Clube Bandeirantes (FCCB), em 1949, uma associação de fotógrafos de São Paulo que introduziram novas tendências visuais no Brasil. Também participavam do FCCB nomes como José Yalenti (1895-1967), Thomaz Farkas (1924-2011) e Geraldo de Barros (1923-1998).

Entre suas obras mais conhecidas estão imagens como "Pernas", foto feita para uma marca feminina de meias em 1960.

German Lorca dedicou grande parte de sua carreira para registrar as paisagens de São Paulo, em especial os locais da região central, como a praça da Sé, no Centro.

Artistas e fotógrafos prestaram homenagens ao paulista nas redes sociais. Vik Muniz publicou uma mensagem de despedida e lembrou da importância de Lorca para as artes visuais.

"Adeus German Lorca, uma pessoa formidável com um olhar que desenhou a iconografia paulistana de forma indelével e inspiradora por sete décadas. Vou sentir muita falta das nossas conversas rápidas e profundas sobre a natureza das imagens", escreveu Muniz.

O fotógrafo e curador Eder Chiodetto, organizador do primeiro livro dedicado à obra do paulista, "German Lorca" (Cosac & Naify), afirmou em sua conta no Instagram que fotografia brasileira e mundial perdem um dos seus criadores mais fantásticos.

"Ícone da revolução modernista pela qual passou a fotografia brasileira entre os anos 1940 e 1960, Lorca foi pioneiro na “fotografia de arte”, como dizia, mas também na fotografia de publicidade", publicou Chiodetto.

Bob Wolfenson usou as redes sociais para publicar uma homenagem: "O grande Fotógrafo, com F maiúsculo mesmo, German Lorca nos deixou. Mas seu legado continua mais vivo do que nunca", escreveu em seu Instagram.

Em nota, o Itaú Cultural que organizou uma mostra individual do artista em 2018, lamentou a morte de Lorca. A instituição lembrou que registros da exposição "German Lorca: Mosaico do Tempo, 70 anos de fotografia", realizada na sede da organização, em São Paulo, podem ser conferidos no site e Youtubel (www.itaucultural.org.br / www.youtube.com/itaucultural).

Ainda sobre a mostra, encontra-se disponível no Issu a versão online da publicação distribuída para o público na época (https://issuu.com/itaucultural/docs/publicacao-german-lorca-issuu).