Mercado abrirá em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,06
    +0,19 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.925,70
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    23.135,01
    +283,14 (+1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.931,04
    +88,71 (+0,41%)
     
  • NIKKEI

    27.351,37
    +24,26 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    12.105,50
    -46,50 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5201
    +0,0045 (+0,08%)
     

Morre físico suíço Karl Alex Muller, ganhador do Nobel em 1987

O suíço Karl Alex Muller, ganhador do Nobel de Física em 1987 pela descoberta do primeiro supercondutor de alta temperatura, faleceu aos 95 anos.

O físico morreu em 9 de janeiro, segundo um obituário publicado nesta terça-feira (17) no jornal Tages-Anzeiger por sua família e o laboratório IBM Research, citado também pela agência de notícias suíça ATS.

O cientista faleceu enquanto dormia, segundo o obituário, após ter enfrentado os últimos anos de sua vida com "perseverança e otimismo", escreveram.

Muller e o alemão Georg Bednorz trabalhavam no laboratório de pesquisas da IBM, em Zurique, quando ganharam o Nobel por "sua importante conquista na descoberta da supercondutividade em materiais de cerâmica".

Suas descobertas tornaram a supercondutividade mais acessível e abriram caminho para sua aplicação em uma ampla gama de campos, desde trens flutuantes à ressonâncias magnéticas.

A supercondutividade é um fenômeno no qual a eletricidade flui por um material sem nenhuma resistência ou dissipação de energia em forma de calor.

Foi descoberta em 1911, quando o físico holandês Heike Kamerlingh Onnes esfriou mercúrio a -270ºC e descobriu que a resistência elétrica desaparecia.

Durante décadas após a descoberta, acreditava-se que a supercondutividade só era possível com materiais metálicos e temperaturas muito baixas.

Em 1986, entretanto, Muller e Bednorz deixaram de lado as argumentações tradicionais e começaram a provar a supercondutividade em óxidos cujo fenômeno funcionava a uma temperatura maior (-238ºC).

A descoberta de uma nova classe de supercondutores, os chamados supercondutores de alta temperatura (HTS, em sua sigla em inglês), lhes rendeu o prêmio Nobel no ano seguinte.

A Universidade de Zurique descreveu Muller como um "nadador contra a corrente" em um comunicado publicado nesta terça-feira, onde apontava que "1986 foi um ano animador para a ciência em Zurique. Tudo começou com uma ideia aparentemente maluca".

Desde as descobertas de Muller e Bednorz, os cientistas tentam encontrar supercondutores em temperaturas mais altas. Atualmente, isso pode ser feito resfriando o material, um óxido de cobre, a -140ºC.

apo/nl/rjm/jm/jvb/zm/ms/jc