Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    -0,38 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +10,60 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    56.811,21
    +2.348,17 (+4,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.455,06
    +49,75 (+3,54%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.483,50
    -52,50 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4262
    -0,1131 (-1,73%)
     

Morre aos 95 anos a vice-presidente das Mães da Praça de Maio na Argentina

·2 minuto de leitura
Nesta foto de 29 de novembro de 2019, a vice-presidente das Mães da Praça de Maio, Mercedes 'Porota' Meroño (C), participa de marcha da Resistência em Buenos Aires, Argentina

Mercedes 'Porota' Colás de Meroño, vice-presidenta da associação Mães da Praça de Maio, que durante décadas denunciou os desaparecimentos de opositores durante a ditadura argentina, morreu nesta quarta-feira (21) aos 95 anos, em sua casa em Buenos Aires, informou a organização humanitária.

Sua única filha, Alicia Meroño, foi sequestrada em uma casa em Buenos Aires em 5 de janeiro de 1978 por agentes da ditadura (1976-1983). Ela 31 anos e está desaparecida desde então.

"Foi embora devagarinho. Todos os dias morria um pouco" desde que sofreu uma fratura no quadril há vários anos, escreveu a titular das Mães da Praça de Maio, Hebe de Bonafini, em carta aberta, intitulada "Porota mudou de casa".

"Ela era uma das Mães que havia passado duas vezes pela tortura e pelo horror", contou Bonafini sobre a companheira de anos de luta.

"Esteve na Guerra Civil espanhola, onde seu pai foi fuzilado por ser antifranquista e revolucionário. Ali, além disso, rasparam os cabelos para que todo o povoado soubesse que seu pai tinha sido fuzilado", lembrou a carta.

Mercedes Colás nasceu na Argentina em 1925, mas emigrou para a Espanha em 1931 com sua família. Seu pai, José María Colás, um pedreiro e anarquista, foi fuzilado em Londoño, povoado de Navarra onde viviam quando ela tinha 11 anos.

Depois, voltou para a Argentina com sua mãe e seu irmão e aos 14 anos conheceu Francisco Meroño, um trabalhador têxtil com quem se casaria e teria uma filha, Alicia.

"E ali esteve ela, com os dois horrores e terrores que nunca a deixaram. Sempre que falava lembrava deles. Outra companheira que se vai e nos deixa um enorme vazio, mas a vida continua (...) Sabemos o compromisso que temos com nossos filhos e que devemos prosseguir", acrescentou Bonafini, de 92 anos.

Colás de Meroño aderiu em 1978 à organização humanitária surgida em plena ditadura, quando um grupo de mulheres começou a reivindicar o aparecimento com vida de seus filhos, sequestrados e levados a centros clandestinos de detenção, onde eram torturados e assassinados. Cerca de 30.000 pessoas foram desaparecidas.

Suas companheiras lembram dela sempre forte e desafiadora. "Me lembro de Porota jogando-se sobre o capô de uma patrulha (policial) para que não nos detivessem", lembrou dela nas redes sociais uma ativista que a conheceu.

Como vice-presidente da organização humanitária, Colás de Meroño participou de várias reuniões com líderes mundiais, como Fidel Castro, Yasser Arafat, o subcomandante Marcos na floresta de Chiapas, e os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, Evo Morales, Rafael Correa e Hugo Chávez, entre outros.

ls/rsr/mvv