Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,90
    +0,13 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.853,40
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    32.542,47
    +440,40 (+1,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,79
    -23,11 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.695,94
    -126,35 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.463,75
    -11,75 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6392
    +0,0030 (+0,05%)
     

Maia diz que Luciano Huck e DEM podem 'construir projeto' para eleição de 2022

Equipe HuffPost
·Redação HuffPost Brasil
·4 minuto de leitura

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou que seu partido, o DEM (Democratas), pode liderar um projeto de centro-direita para as eleições de 2022, que inclui o nome do apresentador Luciano Huck.

O presidente da Câmara conversou com jornalistas no fim da manhã deste domingo (15), após votar em seu colégio eleitoral, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo o Estadão, Maia confirmou o diálogo com Huck, mas não disse se o apresentador de TV seria o candidato de uma eventual chapa e refutou que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro se encaixe numa possível aliança.

Nesta semana, o jornal Folha de S. Paulo revelou que Luciano Huck e Sergio Moro se encontraram recentemente para conversar sobre uma possível chapa para 2022, com a intenção de criar uma “terceira via” em oposição a Bolsonaro. Há ainda uma especulação de qual partido seria aliado à possível candidatura.

Eu acho que o Luciano está tentando construir esse projeto, o DEM está tentando construir. Acho que todos nós que temos uma linha de pensamento convergente, principalmente do ponto de vista econômico-social, que é uma linha mais liberal, mais de centro-direita. Acho que a gente tem que estar dialogando, construindo caminhos e conversando com todos”, disse.

Maia afirmou que resultado do pleito deste ano indicará que o DEM é o ator político mais apropriado para liderar uma frente que orbite o centro em 2022. Nomes do DEM como Eduardo Paes (Rio de Janeiro), Bruno Reis (Salvador) e Gean Loureiro (Florianópolis), lideram intenções de voto.

Luciano Huck e Sergio Moro também falaram com jornalistas na saída de seus locais de votação neste domingo, mas evitaram comentar possibilidade de chapa para 2022. (Photo: Getty Images/Reuters/Montagem HuffPost)
Luciano Huck e Sergio Moro também falaram com jornalistas na saída de seus locais de votação neste domingo, mas evitaram comentar possibilidade de chapa para 2022. (Photo: Getty Images/Reuters/Montagem HuffPost)

Quanto à possível participação do ex-ministro Sergio Moro, Maia afirmou que “teria muita dificuldade”.

“Com todo respeito ao ministro Moro que eu tenho, acho que ele não faz parte desse ambiente de mais diálogo. Com o Luciano nós não temos nenhum problema. Agora, quem vai liderar o campo do centro, o campo mais liberal na economia, o tempo vai dizer. O DEM está se preparando para isso”, disse.

Questionado pelos repórteres sobre o desempenho pouco expressivo nas pesquisas de candidatos apoiados pelo presidente Bolsonaro, Maia afirmou que, depois de uma votação expressiva em 2018, quando se elegeu presidente da República, Bolsonaro está “voltando ao tamanho normal”.

“Havia em 2018 um sentimento que ele acabou representando, mas não necessariamente era a base dele”, disse Maia. “A base dele sempre foi até o momento da facada e até o voto útil, um candidato de 18%, 20%. A avaliação positiva era perto disso com 23%, 24% de ótimo e bom”, acrescentou.

“Eu acho que agora [Bolsonaro] representa o tamanho do núcleo dele que era muito menor que os 46% de intenção de voto que ele teve, ele está voltando ao tamanho normal e a influência é menor, especialmente nas capitais onde a cobrança é muito maior do que nos municípios do interior”, avaliou.

Ao ser questionado se Bolsonaro saíra mais fraco das eleições, Maia disse que é preciso aguardar o resultado final da votação.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro gesticula durante o lançamento do programa de ajuda Aliança para o Voluntariado no Palácio do Planalto, em Brasília, em 9 de novembro de 2020. (Photo: EVARISTO SA via Getty Images)
O presidente brasileiro Jair Bolsonaro gesticula durante o lançamento do programa de ajuda Aliança para o Voluntariado no Palácio do Planalto, em Brasília, em 9 de novembro de 2020. (Photo: EVARISTO SA via Getty Images)

Luciano Huck e Sergio Moro também falaram com jornalistas na saída de seus locais de votação neste domingo. Segundo o Estadão, Huck evitou responder se pretende se candidatar à Presidência em 2022. Em 2018, o empresário ensaiou uma candidatura a presidente, mas acabou desistindo.

“As transformações que a gente de fato precisa começam nas cidades. Esta eleição é super importante, não sob o ponto de vista do rearranjo politico, mas do ponto de vista das transformações necessárias que a gente precisa”, disse.

Huck também evitou comentar encontros recentes que manteve com pessoas como o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro.

Moro, por sua vez, ao votar em seu colégio eleitoral em Curitiba (PR), tirou foto com apoiadores e mesários, em meio a cumprimentos como “fala, presidente!”. O ex-ministro também não falou sobre 2022, e falou pouco com jornalistas.

″É uma eleição local, temos que pensar nos interesses locais, escolher bons prefeitos, bons vereadores, nem tudo se resume a governo federal e ao presidente da República”, disse, ao ser questionado sobre uma possível queda do “efeito Bolsonaro” nas urnas. Mais cedo, Moro destacou o simbolismo da data das eleições e pediu para que eleitores votem com consciência.

″É simbólico que a eleição deste 15/11 ocorra no mesmo dia do aniversário da República. O eleitor é responsável pelo que vai acontecer nos próximos 4 anos. Escolha candidatos íntegros e comprometidos com uma gestão honesta e que beneficie a todos, sem discurso de ódio.”

LEIA MAIS:

'Moro é um politiqueiro, ambicioso, corrupto', ataca Ciro Gomes em entrevista

Brasileiros têm mais confiança em Moro do que em Lula e Bolsonaro, aponta Datafolha

Lula defende petistas que declaram voto em Boulos para prefeitura de São Paulo

Este artigo apareceu originalmente no HuffPost Brasil e foi atualizado.