Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,91
    -0,76 (-1,21%)
     
  • OURO

    1.778,90
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    55.100,70
    -30,51 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.257,00
    +22,58 (+1,83%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.865,35
    +5,48 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.762,25
    -32,00 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6727
    -0,0298 (-0,44%)
     

Moro defende Fachin e critica “perseguição” a ministro

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Moro saiu em defesa de Fachin (AP Photo/Eraldo Peres)
Moro saiu em defesa de Fachin (AP Photo/Eraldo Peres)

Ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro saiu em defesa de Edson Fachin nesta sexta-feira, após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ser alvo de críticas e ataques por anular os processos e condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Justiça Federal do Paraná.

Na prática, a decisão de Fachin na última segunda-feira tornou Lula elegível para o pleito presidencial de 2022. Por isso, foi bastante criticada por adversários políticos e pelos não seguidores do petista. Manifestantes chegaram a promover um protesto contra o ministro na porta de seu prédio, em Curitiba, obrigando o STF a reforçar sua segurança.

Leia também:

“Repudio ofensas e ataques pessoais ao Ministro Edson Fachin do STF, magistrado técnico e com atuação destacada na Operação Lava Jato. Qualquer discordância quanto à decisão deve ser objeto de recurso, não de perseguição”, escreveu Moro no Twitter.

Ao definir a anulação dos processos de Lula, Fachin considerou que o habeas corpus apresentado pela defesa do petista, questionando suspeição de Moro nos processos contra o ex-presidente na Lava Jato, “perdeu o objeto”. Na prática, Moro escaparia do julgamento sobre suas ações como magistrado responsável pelos processos da operação.

No dia seguinte, porém, o ministro Gilmar Mendes “passou por cima” da decisão de Fachin e pautou, na Segunda Turma do STF, a ação que questiona a imparcialidade de Moro. Até o momento, o único voto certo a favor do ex-juiz da Lava Jato parece ser justamente o de Fachin.