Mercado abrirá em 2 h 51 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,70
    +0,95 (+1,59%)
     
  • OURO

    1.725,90
    -7,70 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    51.511,20
    +2.453,16 (+5,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,62
    +41,52 (+4,20%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.687,26
    +73,51 (+1,11%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.151,50
    +96,25 (+0,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Morgan Stanley corta recomendação para títulos do Brasil após ação de Bolsonaro na Petrobras

·1 minuto de leitura
Logo da empresa global de serviços financeiros Mongan Stanley. 09/01/2013. REUTERS/Shannon Stapleton.

LONDRES (Reuters) - O Morgan Stanley removeu a recomendação "like" sobre os títulos soberanos do Brasil nesta segunda-feira, citando preocupações fiscais e potenciais repercussões da troca no comando da Petrobras.

As declarações e atitudes do presidente Jair Bolsonaro elevaram preocupações entre agentes financeiros com o risco político do país, bem como com a ingerência governamental em estatais.

As ações da Petrobras registravam queda de cerca de 20%, com perda de mais de 73 bilhões de reais de valor de mercado da companhia, após Bolsonaro indicar o general Joaquim Silva e Luna para assumir os cargos de conselheiro e presidente da Petrobras.

O Morgan Stanley disse que sua recomendação anterior positiva sobre a dívida soberana do Brasil dependia de o governo tratar das preocupações fiscais por meio de reformas.

"As mudanças na Petrobras são preocupantes nesse sentido, já que mostram que a tolerância a políticas impopulares é baixa, talvez direcionada por considerações eleitorais", disseram analistas do banco.

"Além disso, a exposição do investidor à Petrobras é muito alta em um momento em que o spread versus soberano está perto de recordes, deixando pouco motivo para os investidores manterem títulos no caso de a direção da empresa mudar."

(Reportagem de Marc Jones)