Mercado abrirá em 8 h 37 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,91
    +0,53 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.772,30
    +1,70 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    55.139,26
    -1.743,67 (-3,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.237,69
    -61,27 (-4,72%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.105,73
    -0,42 (-0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.115,58
    -569,79 (-1,92%)
     
  • NASDAQ

    13.912,75
    +15,50 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6898
    +0,0141 (+0,21%)
     

Morango de US$ 10 ajuda retomada de cidade japonesa após tsunami

Kurumi Mori
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Volumosos, brilhantes e com o impressionante preço de US$ 10 cada, morangos premium têm ajudado uma cidade japonesa a se recuperar dos efeitos do terremoto e tsunami de Tohoku, que destruíram quase toda a agricultura há uma década.

A cidade costeira de Yamamoto, a cinco horas de carro ao norte de Tóquio, tem cerca de 12 mil residentes e os morangos respondem por mais da metade da produção agrícola. Faz parte do distrito de Miyagi, uma das principais regiões produtoras da fruta no país.

Em março de 2011, um terremoto provocou um grande tsunami que destruiu 97% das estufas de morango da cidade. A água do mar varreu grande parte das terras agrícolas, deixando-a salgada demais para o cultivo.

Nos meses que se seguiram ao desastre, a cidade incentivou empresas a ajudarem na reconstrução.

Entre elas estava a GRA Inc., uma startup fundada quatro meses após o desastre pelo neto de um produtor de morangos local. A empresa aumentou a produtividade consolidando terras agrícolas e equipando estufas com tecnologia, como resfriamento da coroa e lâmpadas LED de crescimento. A startup ganhou aclamação nacional - e até recebeu a visita do então primeiro-ministro Shinzo Abe em 2014 - por sua marca de morangos Migaki-Ichigo, que é vendida por até 1.080 ienes (US$ 10) cada em lojas de departamento de luxo de Tóquio.

Em 2017, a produção de morangos em Yamamoto voltou aos níveis anteriores ao tsunami, segundo dados do governo local, e a cidade estimou que a produção continuaria a aumentar. A produção agora é maior do que em 2011, confirmou um porta-voz da prefeitura.

“Yamamoto agora produz mais morangos do que antes do desastre”, disse Keita Takahashi, que nasceu na cidade e trabalha na GRA ajudando agricultores. “Há uma sensação de que estamos realmente conseguindo uma recuperação do desastre.”

Nem todas as cidades japonesas se recuperaram do desastre de Tohoku tão rápido. No distrito vizinho de Fukushima, onde o terremoto provocou um colapso na usina nuclear de Fukushima Dai-Ichi, o governo ainda tenta trazer pessoas e empregos de volta às antigas cidades fantasmas e algumas áreas permanecem isoladas.

A GRA produz 400 toneladas de morangos em sua rede anualmente, e conta com a Innovation Network Corp. of Japan e o braço de capital de risco da NEC Corp. entre os investidores. Em junho passado, a startup captou 330 milhões de ienes em uma rodada da Série B, elevando o financiamento total para 850 milhões de ienes desde a fundação.

A empresa disse que o dinheiro será usado para atrair novos agricultores e impulsionar as vendas no exterior.

Frutas de alta qualidade têm uma longa história no Japão, onde itens como melões, frutas vermelhas e uvas são frequentemente dados como presentes. Comparado com alguns dos exemplos mais luxuosos, o preço de US$ 10 da GRA é relativamente modesto: em leilão no ano passado, 108 morangos renderam 1,5 milhão de ienes, aproximadamente US$ 127 por unidade.

Morangos do nordeste do Japão são conhecidos por seu equilíbrio entre doçura e acidez, e novas variedades podem atrair clientes sofisticados. Em 2008, agricultores do distrito de Miyagi desenvolveram uma variedade chamada Mouikko, algo como “só mais um”.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.