Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.083,39
    +35,10 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Moraes envia ao plenário virtual pedido de Witzel de parar impeachment

Isadora Peron
·1 minuto de leitura

O início do julgamento está marcado para 6 de novembro O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou para o plenário virtual o pedido apresentado pela defesa do governador afastado Wilson Witzel (PSC) para tentar paralisar o processo de impeachment que tramita na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O início do julgamento está marcado para 6 de novembro. No plenário virtual, os ministros não se reúnem para discutir o tema, apenas depositam os seus votos no sistema eletrônico do Tribunal. No início do mês, por um lançamento indevido, o processo havia sido incluído na pauta do plenário virtual da Primeira Turma. No fim de agosto, Moraes revogou liminar que havia sido concedida em julho, durante o recesso do Judiciário, pelo então presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, que considerou irregular os moldes da comissão formada na Alerj para analisar o caso. A decisão liberou a tramitação do processo, já que Moraes considerou que a formação da primeira comissão ocorreu de forma correta. A defesa, então, recorreu e pediu para que o caso fosse julgado pelo plenário. Além do processo na Alerj, Witzel responde criminalmente por supostamente integrar um esquema de desvio de recursos da saúde. No dia 28 de agosto, o então governador foi afastado do cargo por decisão do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A medida já posteriormente confirmada por 14 votos a 1 durante julgamento na Corte Especial, que reúne os 15 ministros mais antigos do tribunal. Wilson Witzel Alexandre Cassiano/Agência O Globo