Mercado abrirá em 2 h 32 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,31
    -0,31 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.831,80
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    38.733,62
    -1.609,34 (-3,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    919,37
    -10,99 (-1,18%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    6.999,95
    -78,47 (-1,11%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.869,00
    -168,75 (-1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0245
    -0,0160 (-0,26%)
     

Moody's projeta alta de 4,9% do PIB do Brasil em 2021, com potencial maior caso vacinação acelere

·3 minuto de leitura
Fachada do prédio da agência Moody's. 02/08/2011. REUTERS/Mike Segar.

Por Gabriel Ponte

BRASÍLIA (Reuters) - O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve crescer em torno de 4,9% neste ano após a recessão observada em 2020 como resultado da pandemia da Covid-19, projetou a agência de classificação de risco Moody's em relatório divulgado nesta terça-feira.

De acordo com a Moody's, o país ainda tem potencial de crescimento adicional neste ano se o ritmo de vacinação acelerar, o que apoiaria "positivamente uma recuperação do setor de serviços na segunda metade do ano".

"Esperamos que a distribuição contínua das vacinas acelere o retorno para uma atividade mais normal, sustentando taxas de crescimento elevadas na segunda metade do ano", informou a Moody's em seu relatório.

O documento também projeta que, no médio prazo, o crescimento econômico vai se estabilizar em torno de 2,5%, em linha com a estimativa da agência para o crescimento potencial da economia do país.

"No médio prazo, o progresso na agenda de reforma estrutural e a pressão do governo pela privatização e para expandir o investimento do setor privado em projetos de infraestrutura apoiarão um maior crescimento sustentável", disse a agência.

Atualmente, a Moody's atribui rating "Ba2" para o país, com perspectiva estável, abaixo do grau de investimento.

TETO DE GASTOS

A agência também voltou a classificar como "negativa" para o perfil de crédito do país a decisão do governo de excluir gastos adicionais com o enfrentamento da crise da Covid-19 do mecanismo do teto de gastos.

No entanto, o forte desempenho de resultados pelo lado da receita, bem como um montante "relativamente moderado" de gastos, fazem com que o impacto sobre o resultado fiscal seja "contido", disse a Moody´s.

"Apesar das exclusões de gastos relacionados à pandemia este ano, esperamos que as autoridades mantenham seu compromisso com a consolidação fiscal de médio prazo. No curto prazo, a capacidade do governo de cumprir o teto será elevada em função da inflação relativamente alta", lembrou a Moody's.

O teto de gastos, criado em 2016, determina que o aumento de gastos federais do ano corrente seja limitado à inflação medida pelo IPCA acumulado em 12 meses até junho do ano anterior. O índice acumulado em 12 meses até maio disparou a 8,06%, de acordo com os mais recentes dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

REFORMAS ECONÔMICAS

Ao discorrer sobre a tramitação de pautas econômicas, a Moody's afirmou que a aproximação das eleições e os persistentes ruídos políticos podem limitar progressos substanciais nos principais itens da agenda, como as reformas tributária e administrativa.

"No geral, esperamos que o avanço das principais medidas de reforma seja lento neste contexto, ainda mais à medida que o foco começa a mudar para as eleições presidenciais, marcadas para outubro de 2022."

A agência, entretanto, afirmou não projetar uma reversão na política econômica adotada pelo governo ou nas intenções de continuidade da agenda liberal e do estímulo à participação do setor privado em concessões na área de infraestrutura.

A Moody's também ressaltou que, em um ambiente político e econômico "complicado", no meio de uma pandemia, o governo foi capaz de aprovar o projeto de autonomia do BC, uma proposta que garante a continuidade do mecanismo de teto de gastos pelos próximos anos e a medida provisória de privatização da Eletrobras na Câmara dos Deputados.

(Por Gabriel Ponte)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos