Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    -0,10 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.870,10
    +4,20 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    31.306,06
    -3.645,62 (-10,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    608,80
    -71,11 (-10,46%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,56 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.385,00
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5084
    +0,1004 (+1,57%)
     

Moody's diz que ambiente de reformas ampara rating do Brasil, mas que propostas enfrentam obstáculos

Por José de Castro

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de classificação de risco Moody's avaliou que o ímpeto de reformas no Brasil continua, aprovada a reforma da Previdência em outubro, mas ressalvou que as próximas iniciativas são complexas tanto nas metas quanto nos prazos.

Em relatório com data desta quinta-feira, a Moody's disse que o rating "Ba2" do Brasil é amparado pelo ambiente pró-reformas econômicas, cenário que contraria a tendência observada em outros países da região.

"No entanto, as iniciativas de reforma são complexas em termos do que pretendem alcançar e do processo legal necessário para sua aprovação", afirmou a agência. "Um prazo apertado para aprovar as reformas antes do início da campanha para as eleições locais em meados de 2020 também representa um desafio", completou.

A agência de classificação de risco considerou ainda que o ambiente de reformas se dá em meio a mudanças no plano político --com o presidente Jair Bolsonaro deixando o PSL para criar uma nova legenda e a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava preso em Curitiba (PR).

"A mudança no cenário político pode diminuir o ímpeto da reforma fiscal, mas é provável que a reforma tributária avance em 2020, devido ao amplo apoio", disse a Moody's.