Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    94,27
    +2,34 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.803,50
    -10,20 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    24.178,94
    +442,68 (+1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,03
    -1,72 (-0,30%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.465,91
    -41,20 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.342,25
    -49,75 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3257
    +0,0793 (+1,51%)
     

Moody's reafirma rating da Eletrobras em Ba2, com perspectiva estável

Logo da Eletrobras

(Reuters) - A agência de classificação de risco Moody's reafirmou o rating corporativo (CFR) da Eletrobras em Ba2, bem como a avaliação de crédito básica (BCA) da empresa, conforme comunicado divulgado nesta sexta-feira.

A ação de rating foi impulsionada por fatores de governança e a perspectiva permanece estável.

A Moody's disse que os ratings da Eletrobras refletem a conclusão do processo de privatização em linha com a expectativa da agência, acrescentando que os recursos da oferta de ações não foram retidos na empresa e, portanto, não reduziram a alavancagem.

"No entanto, esperamos que o perfil de crédito da Eletrobras se beneficie gradualmente da privatização impulsionada pela transformação de aproximadamente 40% de seus negócios de geração a preços de mercado combinados com uma exposição reduzida ao projeto de energia nuclear Angra 3", disse a Moody's, em nota.

A "exposição reduzida" a que a avaliação se refere está relacionada ao aporte bilionário feito pela nova estatal ENBPar na Eletronuclear, reduzindo a participação da Eletrobras no negócio, considerado controverso por ter ultrapassado muito o orçamento inicial da construção da usina.

O cenário de ratings também incorpora a consolidação da Madeira Energia (MESA) por meio da subsidiária da Eletrobras Furnas Centrais Elétricas (Furnas).

A Moody's afirmou, ainda, que a privatização tem o potencial de melhorar a governança corporativa da empresa, devido ao controle amplamente distribuído, com exposição reduzida à interferência política nas decisões da administração e investimentos futuros.

No entanto, a agência disse que considera que a Eletrobras continua sendo um Emissor Relacionado ao Governo (GRI), com forte vínculos de crédito com o soberano, principalmente porque detêm a maior participação acionária na empresa (42,7%) considerando participações diretas e indiretas.

"Além disso, a posição dominante da concessionária no setor elétrico brasileiro, fornecendo serviços essenciais de geração e transmissão de energia, continua a apoiar a probabilidade de ajuda financeira em caso de necessidade", acrescentou a Moody's.

(Reportagem de Rafaella Barros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos