Moody's: Índia deve manter ritmo de reformas fiscais

A medida do governo indiano para elevar os preços do diesel na semana passada foi positiva, mas o país deve manter o ritmo das reformas econômicas para que haja um impacto sólido sobre a sua situação fiscal, afirmou a agência de classificação de risco Moody´s no sábado.

"O aumento do preço do diesel é mais um sinal de que o governo está disposto a tomar decisões, politicamente, difíceis, adiadas há muito tempo", disse a analista da agência para a Índia, Atsi Sheth, à Dow Jones.

Na semana passada, o governo desregulamentou, parcialmente, os preços do diesel, permitindo que os varejistas estatais de combustível fizessem pequenas correções.

Na sexta-feira, a Indian Oil, maior estatal varejista de combustíveis do país, aumentou o preço do diesel vendido nos postos de gasolina em 0,45 rupias por litro.

Os varejistas estatais vendem gás de cozinha, diesel e querosene a preços mais baixos que as taxas do mercado em geral e são, parcialmente, compensados pelo governo.

"Enquanto o aumento do preço do diesel tiver um impacto relativamente pequeno sobre o déficit orçamental real, a posição fiscal melhorará se os subsídios aos combustíveis continuarem a ser reduzidos no longo do prazo", disse Sheth. Ela também disse que a Moody's mantém o rating soberano da Índia em Baa3 - o menor grau de investimento - com perspectiva estável.

No ano passado, a Standard & Poor´s e a Fitch reduziram a perspectiva sobre o rating da Índia de estável para negativo, citando a deterioração da situação fiscal do governo e a ausência de reformas econômicas que sustentassem o crescimento. As informações são da Dow Jones.

Carregando...