Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,73
    +1,75 (+2,19%)
     
  • OURO

    1.813,60
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    17.135,73
    +189,64 (+1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,56
    +4,14 (+1,03%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,05 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.764,88
    -13,02 (-0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.003,25
    -7,00 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4987
    +0,0047 (+0,09%)
     

Moody´s aponta que vitória apertada de Lula limita capacidade de mudanças em políticas públicas

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de classificação de risco Moody´s apontou nesta segunda-feira que a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva por uma margem apertada no segundo turno da eleição presidencial limita sua capacidade de implementar mudanças radicais nas políticas públicas.

Para a analista sênior da Moody's Investors Service, Samar Maziad, Lula terá um mandato mais fraco no início de seu governo depois de garantir o terceiro mandato na Presidência.

"No momento, não esperamos uma grande retirada dos esforços de consolidação fiscal do governo e vemos um risco baixo de reversão das reformas já aprovadas", disse ela em nota.

Lula disse várias vezes durante a campanha que pretende revogar o teto de gastos, a principal âncora fiscal do país, e sua campanha ainda não detalhou que instrumento substituiria a atual regra.

O cenário de referência da Moody´s prevê que a agenda de liberalização econômica provavelmente será paralisada e também antevê um maior intervencionismo.

"Uma transição tranquila de poder seria consistente com a nossa avaliação da força institucional e a perspectiva estável atribuída atualmente para o rating Ba2 dos títulos de dívida do governo do Brasil”, completou Maziad.