Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.753,90
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    47.471,87
    -557,89 (-1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -43,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1975
    +0,0127 (+0,21%)
     

Monumento a Marighella amanhece coberto de tinta vermelha em SP

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O monumento ao líder da ALN (Aliança Libertadora Nacional), Carlos Marighella, amanheceu coberto de tinta vermelha nesta sexta-feira (30), na alameda Casa Branca, nos Jardins (zona oeste de SP). A pedra em memória ao guerrilheiro foi instalada no local em 1999, durante um ato que marcou os 30 anos do assassinato do líder organização que pregava a luta armada contra a ditadura militar.

Até o momento, não se sabe quem foi o responsável por jogar a tinta vermelha no monumento. Procurada, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) ainda não se manifestou sobre o caso.

O monumento a Marighella foi criado pelo arquiteto Marcelo Ferraz. Trata-se de uma peça de granito bruto, onde se lê: "Aqui tombou Carlos Marighella em 4/11/69, assassinado pela ditadura militar - São Paulo, 4 de novembro de 1999".

A morte do líder da ALN foi reconhecida como assassinato em 11 de setembro de 1996 pela Comissão de Mortos e Desaparecidos da Câmara, e a família de Marighella foi indenizada. Agentes do governo brasileiro, sob o comando do delegado Sérgio Fernando Paranhos Fleury, mataram o guerrilheiro. A ALN teve participação no sequestro do embaixador dos Estados Unidos Charles Burke Elbrick, em setembro de 1969, e do então embaixador da Alemanha Ocidental Ehrenfried von Holleben, em junho de 1970 --ano seguinte à morte de Marighella. A organização justificava os sequestros como forma de conseguir, em troca, a libertação de presos políticos.

Os assassinatos do executivo dinamarquês Henning Boilesen, que financiava ações do DOI-CODI, o órgão repressor do Exército, por meio da Oban (Operação Bandeirante) de um militante da própria ALN, Márcio Leite de Toledo, e de um capitão infiltrado da Forças Armadas são atribuídos à organização.

O ataque ao monumento a Marighella ocorre na mesma semana em que o grupo Revolução Periférica ateou fogo à estatua de Borba Gato, em Santo Amaro (zona sul). Paulo Roberto da Silva Lima, o Paulo Galo, e a mulher dele, Géssica, foram presos acusados de participação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos