Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.242,90
    -540,07 (-1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Monte Etna entra em erupção de novo; esta é sua 50ª atividade registrada em 2021

·2 minuto de leitura

O grande vulcão italiano Monte Etna entrou mais uma vez em erupção no último dia 29 de agosto. Esta é a 50ª vez que ele entra em atividade só neste ano — e as imagens obtidas por satélites revelam a dimensão da grande quantidade de lava e cinzas expelidas por ele, o suficiente para fazê-lo crescer em 30 metros nos últimos seis meses.

Desde fevereiro deste ano, o Etna tem passado por uma série de erupções. A quantidade de material vulcânica expelida, desde então, elevou seu pico sudeste, que alcançou cerca de 3.357 metros de altura e ultrapassou o pico nordeste, que se manteve como o ponto mais alto pelos últimos 40 anos.

(Imagem: Reprodução/Copernicus EU)
(Imagem: Reprodução/Copernicus EU)

O vulcanologista Boris Behncke, do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV), que trabalha em um observatório instalado na base do Etna, explicou que os cientistas já sabiam que o vulcão estava tramando algo desde o final do ano passado, quando ele começou a lançar nuvens de cinzas e gás. "O Etna estava se preparando para algo grande (temíamos uma erupção pelo flanco) com intensa atividade sísmica, deformação do solo e desgaseificação", acrescentou Behncke.

No dia 16 de fevereiro, o Etna iniciou suas erupções e, desde então, vários satélites têm acompanhado a evolução de suas atividades, como o satélite europeu Sentinel-2, que registrou a erupção mais recente, além de outros satélites da missão Copernicus da Agência Espacial Europeia (ESA), que monitoram de perto a quantidade de dióxido de enxofre liberada pelo vulcão.

Pluma de enxofre do Monte Etna em direção à Grécia e à Turquia (Imagem: Reprodução/ADAM Platform)
Pluma de enxofre do Monte Etna em direção à Grécia e à Turquia (Imagem: Reprodução/ADAM Platform)

Além desses, os dois satélites Plêiades, da Airbus, forneceram os dados que revelaram o crescimento sem precedentes do vulcão nos últimos seis meses. Com base nos dados obtidos pelo Copernicus Sentinel 5P no último dia 30, a plataforma de análises ADAM criou um mapa que revela a pluma de enxofre liberada na erupção, a qual avança sobre a Grécia e Turquia.

Estas plumas podem atingir altitudes muito elevadas e, por isso, têm potencial de afetar o tráfego aéreo. Em abril, uma pluma lançada pelo Etna foi detectada a uma altitude de 7.000 metros. Em solo, o dióxido de enxofre pode causar irritações no sistema respiratório e provocar doenças, como asma, em pessoas mais suscetíveis a problemas respiratórios.

De acordo com Earth Observatory, da NASA, o Monte Etna começou a se formar no fundo do oceano, como um vulcão submarino, crescendo à medida que novas erupções aconteciam e lançavam mais materiais. Hoje, os fluxos de lava solidificados do vulcão registram atividades que aconteceram até 300 mil anos atrás.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos