Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,40
    -1,85 (-2,49%)
     
  • OURO

    1.799,00
    +16,60 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    16.827,77
    -171,46 (-1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.498,75
    -67,25 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4669
    -0,0118 (-0,22%)
     

Montanha-russa de ações na Bolsa começou com granada de Jefferson, diz sócio de corretora

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O sobe e desce da Bolsa no primeiro dia após a eleição de Lula revelou uma migração de investidores para ações de empresas que podem ser beneficiadas por estímulos setoriais.

Na avaliação de Mario Tomadon, sócio da AFS, braço de investimento do BTG, esse movimento teve início após os disparos de tiros e granadas por Roberto Jefferson, aliado de Jair Bolsonaro (PL), contra policiais federais que cumpriam ordem de prisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, na semana passada.

Para Tomadon, o episódio "foi um divisor de águas" na campanha e mostrou ao mercado financeiro que Lula conseguiria "virar o jogo".

"Ali começaram as vendas de papéis da Petrobras, já prevendo que Lula sairia vencedor", disse Tomadon. "E como sabemos que a política dele é mais forte com estatais e estímulos à economia, começou um efeito de compra de empresas de varejo, turismo, educação e construção."

Com poucos anos no mercado, a corretora já é um dos braços mais importantes do BTG na captação de investimentos e ultrapassou, há duas semanas, a marca de R$ 1,2 bilhão em carteira.