Mercado fechado

Montadoras de veículos colocam freios em produção na Europa

Por Giulio Piovaccari
.

Por Giulio Piovaccari

MILÃO (Reuters) - Montadoras de veículos incluindo Fiat Chrysler, Peugeot e Volkswagen cortaram produção em fábricas na Europa nesta segunda-feira, impactadas pelo pânico em torno da pandemia de coronavírus.

Representantes de trabalhadores na Itália, França, Bélgica, Espanha e Alemanha cobraram controles melhores sobre higiene, desinfecção e isolamento para funcionários que trabalham em linhas de produção europeias.

A Audi, unidade de carros de lucro da Volkswagen, afirmou que enfrenta dificuldades para manter a produção em fábrica em Bruxelas porque alguns trabalhadores rejeitam utilizar algumas ferramentas diante de receios de que possam estar se contaminando com o coronavírus.

Já a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) está interrompendo a produção na maior de suas fábricas na Europa para ajudar a proteger funcionários e se ajustar à queda na demanda, afirmou a montadora ítalo-americana.

A Itália tem sido o país mais atingido pelo pânico em torno do coronavírus e o primeiro do continente a implementar o fechamento de fronteiras, algo que foi replicado pela Espanha e em menor grau pela França.

A francesa PSA, que controla as marcas Peugeot, Opel e Vauxhall brands, também afirmou que está fechando fábricas na Europa até 27 de março. A Renault informou que vai suspender atividades industriais na França, fechando 12 instalações do grupo e deixando em casa 18 mil funcionários por tempo indeterminado.

"A continuidade das atividades de produção do grupo em outros países europeus depende da situação em cada país", informou a Renault.

Com serviços não-essenciais fechados em vários países, incluindo concessionárias de veículos, e com muitas pessoas optando por ficar em casa, analistas estimam uma forte queda nas vendas de veículos em março e recuo de 4% no mundo este ano.

Marco Opipari, analista na Fidentiis, afirmou que algumas semanas de fechamento de fábricas na Europa não são um grande problema, dado o excesso de capacidade do setor.

"O problema real é no lado da demanda. As pessoas não estão comprando carros agora e os volumes de vendas serão muito ruins em março, com impacto real no resultado das montadoras", disse.

(Por Valentina Za, Joern Poltz e Jan Schwartz)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447753)) REUTERS AAJ AAP