Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,61
    -0,54 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.818,90
    -42,50 (-2,28%)
     
  • BTC-USD

    38.548,82
    -1.571,29 (-3,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,06
    -37,41 (-3,77%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,66 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.896,25
    -85,00 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0719
    +0,0099 (+0,16%)
     

Montadoras anunciam nova paralisação por falta de peças

·1 minuto de leitura
Fábrica da Volkwagen em Taubaté, no interior de São Paulo, anunciou paralisação temporária de suas atividades
Fábrica da Volkwagen em Taubaté, no interior de São Paulo, anunciou paralisação temporária de suas atividades

General Motors (GM), Nissan e Volkswagen anunciaram que irão paralisar suas atividades temporariamente por falta de peças.

A paralisação da GM afetará as fábricas de São Caetano do Sul, no ABC paulista, e de Gravataí, no Rio Grande do Sul. Na unidade da Grande São Paulo, a paralisação começa no dia 21 e tem previsão para durar seis semanas. Já no sul do país, o retorno deve ocorrer somente entre o fim de julho e o início de agosto.

Leia também:

Também por falta de componentes, a unidade fabril da Nissan em Resende, no Rio de Janeiro, deverá parar em junho, ainda sem data definida. Esta não é a primeira paralisação da montadora de origem japonesa, que já havia interrompido suas atividades entre 25 de março e 9 de abril por conta do agravamento da pandemia de Covid-19.

As paralisações da Volkswagen serão nas linhas de montagem das unidades de Taubaté, no interior de São Paulo, e de São José dos Pinhais, no Paraná, a partir do dia 10. Em nota, a montadora informou que o motivo é a escassez de semicondutores, problema que está afetando praticamente todos os setores que dependem desses componentes.

Apesar das interrupções e da crise, a venda de veículos leves e pesados registrou alta de 7,3% em maio na comparação com abril, segundo dados com base no Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos