Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.604,83
    +1.929,50 (+4,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Monster estuda acordo com Constellation Brands: Fontes

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- A Monster Beverage, fabricante de bebidas energéticas, estuda combinar as operações com a Constellation Brands, dona da marca de cerveja Corona nos EUA, segundo pessoas a par do assunto.

Most Read from Bloomberg

A Monster Beverage, que tem a Coca-Cola como acionista majoritária, discutiu um possível acordo com assessores, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas.

Não é garantido que as negociações levem a uma transação entre a Monster Beverage, que tem valor de mercado de US$ 47 bilhões, e a Constellation Brands, que vale US$ 44 bilhões. Ainda não se sabe a estrutura exata de uma possível união, e não está claro se as discussões levarão a uma fusão completa ou acordo de ativos.

Qualquer transação com a Constellation exigiria o apoio da família Sands, que transformou a empresa em um player global de bebidas, disseram as pessoas. Um porta-voz da Constellation Brands não quis comentar, e um representante da Monster Beverage não pôde ser contatado de imediato.

Participação da Coca-Cola

A relação da Monster com a Coca-Cola pode ser um obstáculo, disse Kenneth Shea, analista sênior de empresas de bebidas e tabaco na Bloomberg Intelligence.

“Vejo que tal transação, se efetivada, poderia comprometer o acordo de distribuição exclusiva da Monster com a Coca-Cola, o que poderia interferir em suas ambições de crescimento internacional”, disse Shea.

“Vejo pouca sinergia entre essas duas empresas, já que reguladores não aceitariam bebidas que combinassem cafeína e álcool”, acrescentou Shea. “Os produtos produzidos teriam que alavancar suas respectivas marcas, mas estarem atentos às limitações das formulações dos produtos.”

A Coca-Cola não retornou uma mensagem com pedido de comentários.

Ofertas de bebidas

A Constellation Brands, que tem sede em Victor, Nova York, iniciou as operações como produtora de vinho em 1945. Agora vende as marcas Corona Extra e Modelo Especial nos Estados Unidos, bem como Casa Noble Tequila, Svedka Vodka e High West Whiskey.

Um acordo entre Constellation e Monster pode ser interessante para a categoria de bebidas com infusão de cannabis. A Monster teria planos nos segmentos de CBD (canabidiol) ou hard seltzer, mas existe a preocupação sobre o impacto na imagem da empresa.

A Constellation tem participação de quase 40% na Canopy Growth, empresa canadense de maconha. A Canopy vende bebidas com THC (tetra-hidrocarbinol) no Canadá e pretende comercializá-las nos EUA se a maconha for legalizada a nível federal.

No acordo mais recente da Coca-Cola, no início do mês, a empresa adquiriu o restante da participação que ainda não controlava na marca de bebidas esportivas BodyArmor por US$ 5,6 bilhões em dinheiro.

Outros negócios no segmento de bebidas alcóolicas podem estar a caminho. A empresa de private equity Sycamore Partners também avalia a venda da Stag’s Leap Wine, potencialmente no valor de US$ 1 bilhão, segundo reportagem anterior da Bloomberg News.

A Sycamore comprou a marca como parte da aquisição da Ste. Michelle Wine Estates, do Altria Group, em negócio de US$ 1,2 bilhão fechado em outubro.

(Atualiza primeiro parágrafo com a informação de que a Constellation Brands detém a marca Corona nos EUA)

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos