Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.416,94
    -40,69 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Moléculas de RNA podem ser formadas em vidros encontrados na Terra e Marte

O ácido ribonucleico (RNA), molécula que sintetiza proteínas e que provavelmente foi o primeiro material genético para a vida, pode ser formado espontaneamente em vidro de lava de basalto, um material abundante na Terra há 4,35 bilhões de anos que também pode ser encontrado em Marte atualmente. A descoberta foi anunciada nesta sexta-feira (3) por cientistas da Foundation for Applied Molecular Evolution.

Liderado por Elisa Biondi, o estudo mostra que as grandes moléculas de RNA (com até 200 nucleotídeos de extensão) podem ser formadas quando trifosfatos de nucleosídeos são percolados (quando componentes solúveis são extraídos por meio de solventes e materiais porosos) através do vidro basáltico. “O vidro basáltico estava em todos os lugares na Terra naquela época”, reforçou Stephen Mojzsis, coautor do estudo.

O RNA pode ser considerado um análogo do DNA, sendo o material genético primordial para a formação de vida (Imagem: Reprodução/ANIRUDH/Unsplash)
O RNA pode ser considerado um análogo do DNA, sendo o material genético primordial para a formação de vida (Imagem: Reprodução/ANIRUDH/Unsplash)

Ele explica que, algumas centenas de milhões de anos após a formação da Lua, impactos frequentes ocorriam, acompanhados de vulcanismo abundante em nosso planeta. Estes eventos formaram lava basáltica derretida, a "mãe" do vidro de basalto. “Os impactos também evaporaram a água e formaram terras secas, fornecendo aquíferos onde o RNA pode ter sido formado”, disse.

Estes impactos também trouxeram níquel, que podem fornecer trifosfatos de nucleosídeos a partir dos próprios nucleosídeos, junto do fosfato ativado presente no vidro de lava. Assim como os impactos formaram o vidro, eles também reduziram temporariamente a atmosfera graças aos seus núcleos metálicos — e as bases de RNA, cujas sequências armazenam informações genéticas, podem ser formadas exatamente nestas atmosferas.

As mesmas rochas podem resolver outros mistérios relacionados à formação do RNA. “Por exemplo, o borato cuida da formação da ribose, o ‘R’ de ‘RNA”, acrescentou Steven Benner, coautor do estudo. Esse processo começa com carboidratos simples, que não poderiam não ter sido formados na atmosfera primitiva da Terra; eles foram estabilizados pelo dióxido de enxofre vulcânico e, depois, foram para a superfície com as chuvas, criando reservas de materiais orgânicos.

Minerais e vidros onde o RNA pode surgi também podem ser encontrados em Marte (Imagem: Reprodução/ESA & MPS for OSIRIS Team)
Minerais e vidros onde o RNA pode surgi também podem ser encontrados em Marte (Imagem: Reprodução/ESA & MPS for OSIRIS Team)

O estudo completa o caminho de formação do RNA a partir de pequenas moléculas orgânicas que provavelmente estavam presentes na Terra primordial, e é de enorme importância para Marte; afinal, os mesmos minerais, vidros e impactos também fizeram parte do Planeta Vermelho no passado. Por outro lado, nosso vizinho não sofreu a ação das placas tectônicas, que enterraram as rochas mais antigas da Terra.

Por isso, rochas importantes daquele período seguem presentes na superfície marciana — e a boa notícia é que as missões robóticas que estão explorando o planeta já as encontraram, incluindo o borato. “Se a vida floresceu na Terra por um caminho simples como este, ela provavelmente também surgiu em Marte”, destacou Benner. “Isso torna ainda mais importante procurarmos vida lá quanto antes pudermos”.

Apesar do otimismo nos resultados, os autores mantêm a cautela, já que há perguntas ainda sem resposta. "Ainda não sabemos como todos os blocos construtores do RNA chegaram à mesma forma geral,", alertou Benner. É possivel que as relações entre os nucleotídeos varie no material sintetizado no vidro basáltico, mas a importância disso ainda não está clara para os pesquisadores.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Astrobiology.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos