Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.392,04
    +13,79 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Moeda única defendida por Lula não é a mesma de Bolsonaro

SÃO PAULO - SP- 07.05.2022 - Ato de lançamento da candidatura Lula e Alckmin à presidência da república. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
SÃO PAULO - SP- 07.05.2022 - Ato de lançamento da candidatura Lula e Alckmin à presidência da república. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Membros da equipe econômica de Lula têm sido abordados por interessados de países vizinhos, curiosos para entender como funcionaria a tal proposta de criação de uma moeda única mencionada pelo petista.

A explicação é que a ideia não se assemelha às hipóteses já levantadas pelo ministro de Bolsonaro, Paulo Guedes, que no começo do governo apareceram na forma de uma moeda única para integração comercial com a Argentina, que seria o peso-real, a exemplo da Europa, para desembocar em moeda comum no futuro.

Tampouco seria algo parecido com o euro, porque não se trata de uma moeda comum a ser adotada obrigatoriamente pelos países, eliminando as moedas nacionais. A avaliação é que esse modelo atrapalha a autonomia das políticas monetárias.

A proposta estudada no entorno de Lula, que já foi introduzida em artigo no jornal Folha de S.Paulo escrito pelo ex-prefeito Fernando Haddad com o economista Gabriel Galípolo, seria afastar o protagonismo do dólar nas relações econômicas entre os países da América do Sul, criando uma moeda específica para o comércio entre eles.

As bases do projeto viriam, na história econômica, da versão de Keynes sobre uma moeda internacional na nova arquitetura do pós-Segunda Guerra.

Para quem acompanha os estudos no PT, a medida poderia impulsionar as relações comerciais na região em um momento em que as cadeias produtivas enfrentam rupturas provocadas pela pandemia e pela guerra da Ucrânia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos