Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.121,11
    +353,05 (+1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Moderadores do Facebook pressionam por medidas de proteção contra a pandemia

·2 minuto de leitura
Moderadores exigem medidas de proteção
Moderadores exigem medidas de proteção

Mais de 200 moderadores de conteúdo do Facebook exigiram melhores medidas de proteção da saúde e de segurança nesta quarta-feira (18), enquanto a gigante da mídia social chama os trabalhadores a voltarem aos escritórios durante a pandemia.

Uma petição assinada por trabalhadores contratados que vivem em vários países afirma que o Facebook deve garantir melhores condições ou permitir que os trabalhadores continuem o trabalho remoto.

"Depois de meses permitindo que moderadores de conteúdo trabalhassem em casa, enfrentando intensa pressão para manter o Facebook livre de ódio e desinformação, vocês nos obrigaram a voltar ao escritório", diz a carta aberta, divulgada pela organização jurídica britânica Foxglove.

A carta apela ao Facebook para "manter os moderadores e suas famílias seguros", mantendo o trabalho remoto o maior tempo possível e oferecendo "subsídio de risco" para aqueles que comparecerem ao escritório.

Quando a pandemia explodiu, o Facebook mandou para casa a maior parte de seus moderadores de conteúdo - os responsáveis por filtrar imagens violentas e de ódio, assim como outros conteúdos que violam as regras da plataforma.

Mas a empresa percebeu limitações no trabalho remoto e se voltou para sistemas automatizados utilizando inteligência artificial, que também tem suas falhas.

A carta diz que o ambiente atual destaca a necessidade de moderadores humanos. "A IA não está à altura do trabalho. Discursos importantes foram varridos para o filtro do Facebook e conteúdos arriscados, como a automutilação, se mantiveram", informou o texto.

"A lição é clara. Os algoritmos do Facebook estão a anos de distância de atingir o nível necessário de sofisticação para moderar o conteúdo automaticamente. Eles podem nunca chegar lá."

A petição afirma, ainda, que o Facebook deveria considerar tornar os moderadores funcionários completos - que na maioria dos casos poderão continuar trabalhando remotamente até meados de 2021.

"Ao terceirizar nossos empregos, o Facebook sugere que os 35.000 de nós que trabalham com moderação somos de alguma forma periféricos à mídia social", diz a carta.

"Ainda assim, somos tão essenciais para a viabilidade do Facebook que devemos arriscar nossas vidas para trabalhar".

O Facebook não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da AFP.

bur-rl/bfm/jc/mvv