Mercado abrirá em 4 h 41 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,36
    +0,60 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.797,90
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    62.259,66
    +1.461,31 (+2,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.235,95
    +31,40 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    26.140,16
    +13,23 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.375,00
    +34,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    -0,0027 (-0,04%)
     

Modelo retoma carreira e faz sucesso após grave atropelamento

·2 minuto de leitura
Modelo retoma carreira e faz sucesso após grave atropelamento (Foto: Reprodução/ Instagram @jhulli.f)
Modelo retoma carreira e faz sucesso após grave atropelamento (Foto: Reprodução/ Instagram @jhulli.f)

Resumo da notícia

  • Jhulli Felipe sofreu um acidente em 2013

  • A modelo levou um tempo para superação

  • Ela também faz faculdade de nutrição

Jhulli Felipe jamais imaginou que após sete anos pudesse retomar sua carreira de modelo e obter sucesso. Aos 25, ela já seria considerada "velha" para dar os primeiros passos. Ainda mais numa volta. Mas o hiato ocorreu quando a moça nem sabia se estaria viva para recontar a sua história.

 Em 2013, ela foi foi atropelada por uma moto enquanto atravessava a rua, em Rio das Ostras, na Região dos Lagos. Em alta velocidade, o condutor ultrapassou o sinal vermelho e atingiu Jhulli em cheio.

Leia também:

"Eu estava sozinha, era final do dia", relembra ela, que ficou internada por quatro meses, passou por 12 cirurgias e chegou a entrar em coma: "Tive traumatismo, fraturas, queimaduras de 4º grau e fiquei em coma induzido. Passei quatro meses no hospital e seis meses sem poder colocar os pés no chão. Foram doze cirurgias ao todo. Eu era apenas uma menina, mas cresci muito e isso me tornou forte".

A superação de Jhulli levou tempo. "Depois do acidente, fiquei totalmente dependente de todos, para tudo. Até para me virar na cama eu precisava de ajuda. Com o passar do tempo, cada coisa que eu conseguia fazer sozinha, como escovar os dentes, por exemplo, era uma grande conquista", diz.

A carreira de modelo, para ela, estava acabada. "No início foi muito difícil. Por conta das cicatrizes que ficaram, não queria retomar a carreira como modelo, mesmo com todos dizendo que eu deveria seguir em frente. Foram também momentos de muito aprendizado. Comecei a ver a vida e as pessoas de uma outra forma", afirma.

De volta, Jhulli coleciona campanhas e editoriais e concilia os ensaios com as aulas na Faculdade de Nutrição. Os planos agora são o de fazer um circuito de moda internacional e já tem um contrato de trabalho em Londres.

"Hoje vivo uma vida normal e posso fazer todos os tipos de atividade. Minhas marcas e cicatrizes não me incomodam mais, me trazem orgulho, as enxergo como parte da minha história e me sinto mais forte quando as vejo, lembro de tudo o que passei. Contam histórias incríveis, de superação, força e fé. É muito especial poder representar histórias de vida e empoderar pessoas, falar sobre nos aceitarmos do jeito que somos. A cada dia, eu me aceito mais e me descubro mais. Não perco mais tempo tentando me esconder. Amo o que faço e estou muito feliz em ver a moda evoluindo e empoderando pessoas", finaliza.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos