Mercado abrirá em 9 h 57 min
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,32
    +0,08 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.743,60
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    16.252,95
    +104,37 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,07
    +1,78 (+0,47%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.634,45
    +336,51 (+1,95%)
     
  • NIKKEI

    28.038,14
    -124,69 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.633,50
    +17,25 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5564
    +0,0072 (+0,13%)
     

Modelo do JPMorgan diz que tombo do S&P aponta para recessão

(Bloomberg) -- O mercado de ações americano envia um sinal claro sobre a economia — uma recessão é quase iminente.

Esse é o veredicto de um modelo criado pelos estrategistas do JPMorgan. Ele diz que a queda de 6,5% do S&P 500 desde que o Federal Reserve se tornou extremamente hawkish na semana passada implica uma probabilidade de 92% de recessão nos EUA, acima dos 51% em agosto.

Outros ativos também enviam um aviso semelhante. O preço dos metais básicos agora indica uma probabilidade de recessão de 96%, acima dos 84% de agosto.

A reprecificação acentuada de tudo, desde ações a títulos do Tesouro americano, mostra que os mercados finalmente aceitam os sinais claros de autoridades do Fed de que estão dispostos a aceitar uma contração econômica como preço para esfriar a inflação. Por mais de uma década, o banco central foi o melhor amigo dos mercados, mas a disparada de preços deixou o Fed focado apenas em conter a inflação, independentemente do impacto nos ativos.

Durante meses, comentaristas do mercado alertaram que o Fed estava atrasado em seus esforços para combater a inflação. Agora, após três reuniões consecutivas que resultaram em aumentos de 0,75 ponto percentual e uma série de alertas de que mais altas estavam por vir, os mercados começaram a precificar um Fed que corre o risco de ir longe demais.

Wall Street sofre turbulências desde então, com a volatilidade dominando tudo, desde ações a títulos e commodities. A venda de ativos cruzados levou os yields de 10 anos do Tesouro americano a 4%, uma máxima desde 2008, e o índice S&P 500 para uma mínima desde 2022. Indicadores de turbulência nos preços de títulos e moedas saltaram para o nível mais alto desde o início da pandemia em março de 2020.

“Se não está mais restrito a apenas uma classe de ativos, mas se espalha por várias, então este é o sinal definitivo de contágio”, disse Max Kettner, estrategista-chefe multi-ativos do HSBC. “Até agora, falta o transbordamento para o crédito.”

A esperança de que o Fed recuaria de sua trajetória de aperto por causa da queda dos mercados e uma economia paralisada se evaporou, de acordo com Lewis Grant, gestor sênior da Federated Hermes.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.