Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.996,44
    -51,85 (-0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Modas Plurais: Com mais representatividade, geração Z crê que “comercial de margarina” já era

Natalia Guaratto
·2 minuto de leitura

No terceiro episódio da série Modas Plurais, nosso papo sobre moda e geração Z continua. A demanda da sociedade por mais representatividade em espaços de poder está, de fato, causando alguma transformação? Fizemos essa pergunta para seis influenciadores que lidam com marcas e público no dia a dia. Dá o play para conferir as respostas.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Para o artista Raphael Jacques, a @almanegrot, as marcas estão correndo atrás das adaptações que os consumidores estão exigindo. “Por um lado, isso é muito bom, porque é obrigação de qualquer marca, de qualquer serviço, de qualquer loja ter representado todo mundo que vai te consumir. A ideia de comercial de margarina está muito ultrapassada”, diz.

Leia também

O caminho é sem volta. De acordo com um estudo da plataforma de marketing Contently, 63% da geração Z prefere ver “pessoas reais” do que celebridades nas propagandas. Para os “Zs”, a presença de pessoas reais na mídia, na moda e nos espaços de destaque não é mais uma necessidade, é uma obrigação. E o que isso tem a ver com moda? Tudo!

“A gente começa a sentir essa diferença. Hoje a editora de moda da Elle é uma mina negra da periferia. E editora de moda da Glamour também é uma mina negra, mas ainda assim quando a gente para para olhar como um todo no país, a gente sente que ainda é muito pouco”, observa o produtor Kaique Brasileiro.

A internet como motor da transformação

Há cinco anos criando conteúdo na internet, as irmãs Thali e Gabi Zukram do @twolostkids acreditam que as redes sociais contribuem muito para que a moda tenha mais representatividade.

“A gente até estava falando esses dias sobre maquiagem. Tinha alguns tutoriais de maquiagem, mas era para pessoas com outro formato de olho, igual o nosso, então a gente teve esse problema, quando a gente estava crescendo, de entender a maquiagem”, conta Thali. “Hoje em dia já é bem mais fácil achar pessoas parecidas com você, seja fazendo uma maquiagem que vai funcionar para você ou usando roupas que a gente consegue se identificar e a gente fala, nossa, eu acho que se eu usar essa roupa eu vou ficar parecida com ela, porque as modelos assim, pelo menos para nós, estão muito longe da realidade. Então a internet ajuda bastante nesse ponto”, continua.

Modas Plurais é uma série documental original do Yahoo, que aborda a moda, consumo e Geração Z. Você pode conferir os episódios 1 e 2 aqui.

Modas Plurais: Geração Z abre caminhos para a moda além do look do dia

Modas Plurais: Mais diversa da história, Geração Z une estilo e autoestima

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube